Nadadouro homenageia lavadeiras com parque de lazer

0
531
As lavadeiras são homenageadas numa escultura da autoria de José Carlos Almeida

Dezenas de populares marcaram presença na inauguração do espaço, que poderá crescer e abarcar toda a várzea

 

No século passado, muitas das mulheres do Nadadouro dedicaram a sua vida a lavar a roupa dos “senhores” das Caldas e de S. Martinho do Porto. Chegavam a ir de comboio às pensões e a casas particulares, de onde traziam a roupa suja, contada, que depois lavavam e, na semana seguinte, entregavam e traziam nova remessa para lavar. A homenagem a estas mulheres de trabalho está agora perpetuada numa obra de arte instalada no novo parque de lazer do Nadadouro, inaugurado a 27 de abril.
A presidente da Junta de Freguesia, Alice Gesteiro, lembrou as lavadeiras da terra, especialmente a última delas, Odete Ferreira (falecida há 17 anos), cuja vida foi “lavar a roupa para as pessoas de fora, até poucos anos antes de falecer”.
A história destas mulheres foi também documentada pela jornalista e escritora, Maria Lamas, que entre 1948 e 1950 fotografou e registou testemunhos de várias mulheres portuguesas, publicando-os na obra “As Mulheres do Meu País”. Refere que as “lavadeiras do Nadadouro têm a vantagem de não estarem expostas à chuva e ao sol, como milhares de outras, que lavam ao longo de rios e ribeiras, por essas províncias fora. Estão, contudo, metidas na água o dia inteiro, como é costume de quase todas”.
A obra escultórica que homenageia as lavadeiras, da autoria de José Carlos Almeida, está inserida num parque de lazer, com jardim, árvores autóctones, percursos e que complementa a intervenção que começou com o melhoramento do lavadouro, onde foi alterado o telhado e feito um mural pelo artista Mantraste. A intervenção, que também inclui um conjunto de candeeiros solares, rondou os cerca de 20 mil euros, financiada através da delegação de competências da Câmara das Caldas.
Presente na cerimónia, o presidente da Câmara, Vitor Marques, reconheceu o “grande trabalho deste executivo que tem vindo a promover a freguesia. A autarquia limita-se a apoiar”. O autarca congratulou-se também com a escolha do artista, que é um dos autores também da escultura do Zé Povinho e Bordalo Pinheiro, na Rua das Montras. “O passo seguinte neste espaço é virmos aqui algumas vezes, pois só faz sentido se for vivido”, concretizou.
A inauguração contou ainda com a atuação do Rancho Folclórico Esperança na Juventude do Nadadouro.

Projetos em curso
Com o objetivo de “embelezar o património identitário das lavadeiras”, a junta já antes tinha reabilitado dois lavadouros e decorado com pinturas que retratam cenas da vida do Nadadouro, feitas por pessoas da localidade. A ideia de futuro passa pela aquisição de terrenos privados, que permitam converter toda a zona da várzea (ao lado do Parque das Lavadeiras) em zona de lazer e espelho de água.
Atualmente encontra-se a decorrer a obra de requalificação do Largo da Igreja, que deverá estar concluída ou, pelo menos, em condições de permitir fazer a festa anual, no último fim de semana de julho. Está também a ser efetuado um levantamento topográfico para a criação de uma ecovia entre o cais palafítico e o centro do Nadadouro e o projeto para a requalificação do Miradouro da Ardonha. O Parque dos Cortiços, que venceu o Orçamento Participativo em 2014, será este ano concluído, garante a autarca. ■

O último dos três lavadouros recuperados, que integra um mural de Mantraste