Políticos foram à escola e partilharam posições ideológicas

0
337
Representantes de vários partidos políticos responderam às questões colocadas pelos jovens
Discriminação, a crise da habitação e casas de banho mistas foram questões levantadas no encontro. Mas muitos mais braços no ar ficaram sem resposta
Carolina Oliveira, de 17 anos e aluna do 11º ano de Ciências e Tecnologias foi a primeira a questionar: “Como vai trabalhar para garantir o direito das minorias e combater a discriminação”? As respostas foram tão diversas quanto o espetro dos convidados, entre o Chega à direita e a CDU à esquerda, assim como o foco em diversos tipos de discriminação. Gabriel Mithá Ribeiro, candidato do Chega pelo círculo eleitoral de Leiria, focou-se na questão racial e, clamando que o seu partido é, “injustamente” vítima de preconceito, defendeu que a melhor forma de combater estas questões é discutindo-as abertamente. De seguida, confrontado por outra jovem com a posição do Chega relativamente aos ciganos e à islamização, Gabriel Mithá Ribeiro assumiu que a “crítica social livre regula melhor as nossas vidas do que o Estado através das leis”, posição que foi rebatida pelo candidato da Iniciativa Liberal (IL), Miguel Silvestre, para quem todos são iguais perante a lei. Também o candidato do PS, Jorge Gabriel Martins, chamou a atenção para a necessidade de mecanismos de justiça social e a liberdade de cada um se poder afirmar independentemente do sexo, religião ou condições económicas.
Já Luís Caixeiro, dirigente do PCP e membro do partido desde os 20 anos, confidenciou ser contra algumas minorias: “os grandes grupos económicos, os que querem dividir o país por cor e os que acham que os migrantes devem trabalhar sem condições”. Na sua opinião, o combate às desigualdades faz-se garantindo as condições necessárias para que todos possam viver com dignidade.
Também Carlos Ubaldo, do Bloco de Esquerda, se referiu às discriminações sócio-económicas, nomeadamente com a discrepância salarial que ainda existe entre géneros, a violência doméstica e a discriminação de géneros, que nos tempos atuais têm mais impacto do que a racial. A importância das leis, e também do bom senso, foi destacada pelo candidato do PSD, Hugo Oliveira, que ainda apelou ao combate aos vários tipos de discriminação para uma sociedade mais justa. “Precisamos dos migrantes em Portugal, mas é preciso haver condições para os receber”, defendeu o político caldense.
Os alunos pediram explicações sobre o problema da falta de médicos e de cuidados de saúde, com os representantes da direita a abrir espaço a parcerias com o privado na resposta aos cidadãos, enquanto que a esquerda defendeu um maior investimento no Serviço Nacional de Saúde. Em cima da mesa estiveram também assuntos que dizem diretamente respeito aos alunos como a existência de casas de banho mistas na escola e a crise na habitação, problema que, partilharam, poderá condicionar o seu futuro académico. E, se no Bloco, a solução poderá passar pelo limite ao preço das rendas, combate à especulação imobiliária e o reforço da habitação estudantil, à direita, o Chega propõe a procura de compensações na banca e nas petrolíferas, para resolver o problema. Para o PSD há que criar incentivos ao arrendamento e na compra da primeira habitação. Também para a IL há que tornar o mercado  de arrendamento “mais interessante” e, sobretudo, dar condições às empresas para construir.
As medidas de apoio ao arrendamento, previstas em Orçamento de Estado, e de apoio às famílias, foram lembradas pelo socialista Jorge Gabriel Martins, ao passo que Luís Caixeiro (PCP) colocou a tónica na quantidade de casas que não são usadas e defendeu a criação de habitação cooperativa.
O encontro com deputados e representantes de partidos que concorrem no círculo eleitoral de Leiria foi promovido, a 7 de fevereiro, pela Associação de Estudantes da Escola Josefa de Óbidos para esclarecer as dúvidas aos alunos, muitos deles que irão votar este ano pela primeira vez. No refeitório da escola estiveram cerca de 180 estudantes do ensino secundário. ■
O encontro lotou o refeitório da Escola Secundária Josefa de Óbidos