Rio Maior garante apoio à construção de novo Hospital do Oeste nas Caldas da Rainha

0
107
Rreunião entre os executivos em regime de permanência dos municípios de Rio Maior e das Caldas da Rainha

A proximidade e as boas vias de acesso às Caldas da Rainha são fatores realçados pelos autarcas de Rio Maior para defender a localização do novo Hospital na cidade, em detrimento do Bombarral

O município de Rio Maior apoia a construção do novo Hospital do Oeste no concelho das Caldas da Rainha, tendo manifestado publicamente essa vontade.
“A proximidade é um fator determinante para que Rio Maior possa continuar a ter cuidados de saúde de qualidade, como aqueles que são atualmente prestados no hospital das Caldas, e não nos parece que valorize Rio Maior se o novo Hospital ficar colocado no Bombarral, onde o estudo indica”, referiu o presidente da Câmara, Filipe Santana Dias, à Gazeta das Caldas.
O autarca considera que Caldas da Rainha está servida com os melhores acessos, o que é também uma mais-valia para os riomaiorense, garantindo que o apoio é unânime na autarquia, tanto por parte do executivo como da oposição, que defende a mesma posição.
“Levámos a reunião de câmara uma proposta, sugerida pelos vereadores do PS, e com o apoio Coligação Juntos pelo Futuro, que foi aprovada por unanimidade”, especificou o autarca eleito pela coligação do PSD e CDS-PP.
Filipe Santana Dias salienta, ainda, que Rio Maior está mais perto das unidades que compõem o Centro Hospitalar do Oeste do que alguns dos municípios que fazem parte da OesteCIM, pelo que fazia “todo o sentido” que pudesse ter uma palavra a dizer sobre o novo Hospital, “ainda que a mesma pudesse não ter um caráter vinculativo”. Rio Maior “vive paredes meias com as Caldas” e, embora administrativamente não integre a mesma comunidade intermunicipal “tem mais proximidade às Caldas do que porventura municípios mais distantes, como Torres Vedras”, complementa.
O concelho tem como hospital de referência o de Santarém mas tem sido a unidade hospitalar das Caldas, ao longo dos anos, a escolha de muitos dos riomaiorenses. “O hospital das Caldas revela-se essencial para o nosso território como forma complementar ao atendimento das unidades do centro de saúde de Rio Maior”, explica o autarca, acrescentando que muitos dos nascimentos, incluindo o dele, têm lugar nas Caldas da Rainha.
Histórica e geograficamente próximos, os municípios das Caldas da Rainha e de Rio Maior pretendem agora estreitar laços e promover estratégias de cooperação entre as duas autarquias, potenciando as sinergias existentes. Filipe Santana Dias recorda que desde sempre houve uma boa relação, até porque o facto dos territórios confinarem entre si obriga a alguma ligação, nomeadamente na execução de obras nas suas vias de acesso.
No sentido de reforçar essa relação institucional, os autarcas dos dois municípios reuniram a 23 de junho para “acertar agulhas” e fazer equipas multidisciplinares (com elementos das Caldas e de Rio Maior) para que possam “reunir com frequência e ajudarmo-nos a crescer mutuamente, na atividade cultural, turística e também nas obras”, salientou o autarca. O protocolo de cooperação será estabelecido durante a inauguração da FRIMOR – Feira Nacional da Cebola, que irá decorrer entre 1 e 4 de setembro. O evento, que decorre em Rio Maior, une simbolicamente os dois concelhos (tendo em conta que a maioria dos ceboleiros são de Alvorninha) e Filipe Santana Dias recorda que, desde que é presidente de Câmara, sempre convidou o seu homólogo caldense para a inauguração do evento.
A cooperação entre os dois municípios neste momento ainda está ao nível dos “sonhos”, diz o autarca, mas deverá concretizar-se através de várias iniciativas, como é o caso de um caminho pedonal a ligar os dois concelhos e as duas cidades. Também pretendem que a atividade cultural que é desenvolvida em Rio Maior possa ser divulgada no concelho vizinho e vice-versa.
“Queremos aproximar dois concelhos que têm uma história juntos, estreitando laços e dando-lhe uma chancela de qualidade”, sintetizou o autarca. ■