Sabores árabes em almoço solidário com refugiados

0
621
Gazeta das Caldas

FotoresponsaveisDuas dezenas de pessoas participaram, no passado dia 28 de Novembro, no almoço solidário organizado pela Cantina Criativa, um restaurante situado no Convento de S. Miguel, nas Gaeiras (Óbidos). Sabores árabes compuseram a ementa e parte do valor do almoço reverteu para a Plataforma de Apoio ao Refugiado.

Tabule, kibe cru, kibe frito, michuí, hommus, babaganoush, frango com arroz e amêndoas e baklava árabe. Estes são alguns dos pratos mais emblemáticos da gastronomia árabe, que foram apreciados por duas dezenas de comensais num almoço solidário. Com um custo de 15 euros por pessoas, cinco euros revertiam para a Plataforma de Apoio ao Refugiado.
A ideia partiu dos proprietários do espaço, Nelson Sinem e Filipe Bairros, quando o drama dos migrantes começou a ter contornos mais mediáticos. “Sentimos vontade de ajudar e, como temos um restaurante, esta foi para nós uma maneira natural de o fazer”, disse à Gazeta das Caldas Nelson Sinem, um brasileiro que conhece bastante bem a gastronomia sírio-libanesa, ou não tivesse vivido em S. Paulo, cidade que acolhe muitos milhares de emigrantes destes dois países árabes.
A iniciativa pretendeu ser também uma forma de inclusão. “Nada melhor para entrar na cultura das pessoas do que através da gastronomia”, considera Nelson Sinem.
Normalmente é o chef Filipe Bairros quem se ocupa da cozinha, enquanto que o sócio cuida do atendimento e da sala, mas para este almoço os pratos foram confeccionados pelos dois. Demoraram 48 horas a cozinhar porque alguns pratos requerem uma preparação demorada. São usados ingredientes estranhos à cozinha lusa como pastas de gergelim, muito limão, beringela e amêndoa, mas também muitos legumes.
Os produtos frescos foram comprados na Praça da Fruta (como, de resto, é habitual no restaurante) enquanto que outros foram comprados em locais mais específicos como foi o caso do tahim, uma pasta concentrada de sésamo.
Este foi o primeiro almoço solidário, mas o objectivo é que estes possam ter continuidade, provavelmente mensal. “A ideia foi começar com um pequeno passo, mas depois crescer”, conclui Nelson Sinem.
A Cantina Criativa existe no Convento das Gaeiras desde 2010, inicialmente com o objectivo de servir de apoio à incubadora do Parque Tecnológico de Óbidos (PTO) que estava ali instalada. A passagem das empresas para os edifícios centrais do PTO levou a um novo perfil do restaurante, que durante o Verão funciona basicamente com jantares e refeições mais elaboradas e, entre Outubro e Março, abre apenas às sextas-feiras, sábados e domingos para almoços e jantares e, por vezes, almoços temáticos. A semana passada fizeram uma feijoada brasileira e o próximo evento deverá estar ligado à cozinha indiana.
O local, embora seja um pouco isolado, continua a ser a aposta dos dois sócios. “É maravilhoso para trabalharmos e o ambiente é muito bom”, realça Nelson Sinem. A autarquia de Óbidos tem previsto o aproveitamento das salas do Convento para a instalação de pequenas empresas ligadas ao bem-estar, uma ideia “perfeitamente” coadunável com a filosofia do restaurante que prima pela confecção de comida saudável, conclui o responsável.