Seniores das Caldas “dormiram” com os tubarões no Oceanário de Lisboa

0
352

“Dormir com os tubarões” no Oceanário deixou de ser uma actividade apenas para as crianças. Um grupo de nove seniores da Misericórdia caldense foi pioneiro nesta experiência de passar uma noite junto ao aquário onde vivem os tubarões, entre outras espécies. Uma ideia da responsável pelo lar e apoio domiciliário,  Rita Queirós, que deixou os participantes muito felizes e prontos para uma próxima aventura.
“Estamos sempre a tentar inovar e a fazer novas propostas para esta população”, disse Rita Queirós, que é a responsável pelo Lar e Apoio Domiciliário da Misericórdia das Caldas. Ao conversar com uma amiga que lhe disse que a filha ia ao Oceanário de Lisboa para participar no projecto “Dormir com os Tubarões”, Rita Queirós arregaçou as mangas e iniciou contactos de modo a que os seniores da Misericórdia caldense pudessem também viver essa experiência.
O que lhe foi dito inicialmente era que não tinham programa para seniores, mas passados alguns dias veio um parecer positivo para que a dormida no Oceanário fosse possível.
Das Caldas, partiram nove pessoas que foram à conquista da capital, tendo dormido de 4 para 5 de Junho com os tubarões. Para que tal fosse possível, nesse dia ficou combinado que “ninguém teria dores” e que apesar de se adivinhar uma noite a dormir no chão, “concerteza que iria compensar”.
Esta visita foi motivo de reportagem nalguns serviços noticiosos da TVI.
Rita Queirós contou que cada bilhete custou 50 euros, mas que os utentes fizeram pequenos trabalhos como compotas e porta-chaves, que venderam a pessoas que visitam a Misericórdia, por forma a financiar a ida a Lisboa.

“Parecia que tinha o tubarão encostado aos pés”

“Foi uma experiência muito boa! Adorei. Tinha a sensação até que um dos tubarões vinha até ao vidro e até parecia que estava encostado aos meus pés!”.  Palavras de Maria dos Anjos Gomes, 91 anos, uma das utentes da Misericórdia local. “Gostei de ver todos os animais, mas havia uns pequenos, venenosos com umas cores muito bonitas, parecia que tinham prata!”, disse a visitante.
Durante a noite, enquanto os idosos dormiam, além das técnica caldense, o Oceanário destacou mais duas pessoas que estiveram com o grupo. “Eu era a mais velha do grupo e lá me aguentei – sim ainda gostava muito de lá voltar, mas não sei se será possível…”, disse a nonagenária que trabalhou muitos anos na Farmácia Freitas.
“Fiquei de boca aberta a ver aquilo tudo. Gostei de ver todas as espécies! As lontras eram divertidas”, disse Joaquim Henriques, 67 anos, natural de Salir do Porto.
No aquário na sala da pernoita estavam pelo menos sete tubarões que dividiam aquele tanque com outras espécies. Os participantes caldenses salientaram as raias e o peixe-lua.
Durante a estada viram filmes sobre diferentes espécies e depois fez-se um “silêncio especial” que durou toda a noite. Os seniores estranharam, enquanto acabavam de tomar o pequeno-almoço, quando começaram a ouvir o rebuliço normal, das vozes dos petizes, integrados nas visitas das escolas e das famílias. “Foi um passeio muito bonito e já estamos prontos para outro!”, remataram Maria dos Anjos Gomes e Joaquim Henriques.

Natacha Narciso

[email protected]