“Temos um pouco de tudo para auxiliar quem vive com dificuldades”

0
617
Equipa
Da equipa que distribui os bens fazem parte Graciete Filipe, Cassilda Cardoso, Cidália Silva (coordenadora), Luísa Ferreira e Lurdes Ferreira - Natacha Narciso

É no Hospital Termal que a Liga dos Amigos do Centro Hospital das Caldas da Rainha (LACHCR) tem a funcionar o Espaço Rainha. Há um pouco de tudo para ajudar quem mais precisa, desde roupa para todas as idades até aos eletrodomésticos para a casa.
“Ajuda e passa” é um dos lemas do Espaço Rainha. É a voluntária da Liga, Cidália Silva, que coordena os trabalhos desta vertente solidária onde não se questiona ninguém se está a passar por dificuldades, se perdeu o emprego, ou se o que pediu para levar é também para dar a um familiar. “As pessoas quando vêm pedir é algo que já custa quanto mais estar a dar a conhecer mais pormenores das dificuldades…”, diz a responsável enquanto faz uma visita guiada às secções do Espaço Rainha.
Este foi criado há dois anos e recebe doações de quem quiser dar todo o tipo de roupa e tudo o que uma casa necessita, desde os cobertores aos tachos da cozinha.
O espaço abre as suas portas às terças e às quintas-feiras à tarde e o passa a palavra foi tal que a Liga já ajudou 200 pessoas de várias localidades da região. Mas para ter tudo organizado, a equipa de voluntárias trabalha todos os dias da semana.
“É uma autêntica loja. Só que aqui não se vende nada. Dá-se tudo”, disse a coordenadora que antes de vir morar para as Caldas, já fazia voluntariado em Abrantes, localidade onde viveu vários anos. Cidália Silva foi funcionária pública e reformou-se por doença. Quando melhorou, achou que ainda podia contribuir para o bem-estar dos outros através do voluntariado.
E não são raras as vezes que a sua equipa leva roupa doada para a sua casa para lavar e passar a ferro antes ser oferecida a quem precisa.
A prioridade do Espaço Rainha era ter enxoval para os bebés “mas depois não fazia sentido deixar os outros membros da família sem auxílio”, comentou a responsável, explicando que a Liga trabalha em parceria com outras entidades como a Cruz Vermelha e a Cáritas, colaborando com bens que são depois enviados em contentores para África, ajudando quem mas precisa nos PALOP.
“Há uma enorme dedicação. Eu não era nada sem isto…”, disse Cidália Silva que se revê na ajuda ao próximo. A responsável acrescentou que também aceitam doações de empresas e já receberam ajudas para aquele espaço de vários espaços caldenses.
“Não imagina a alegria das crianças quando aqui vêm buscar brinquedos!”, disse a voluntária para quem há sempre hora para entrar mas não há hora para sair do Espaço Rainha. Cidália Silva recorda que no fim do mês não há salário.

POLVOS EM CROCHÊ PARA RECÉM-NASCIDOS

Enquanto a equipa do Espaço Rainha distribui a roupa e os bens para a casa, há um outro grupo que faz croché. Das suas mãos saem pequenos polvos, feitos em linha de algodão. “São para dar aos bebés do nosso hospital sobretudo aos prematuros”, explicou Manuela Paula enquanto explica como se faz estes exemplares que medem entre sete a nove centímetros e que possuem vários tentáculos. A ideia de criar estes Polvos de Amor surgiu no Hospital Universitário da cidade dinamarquesa de Aarhus, em 2013. Segundo a equipa médica da Dinamarca, após a experiência de colocar as peças de croché junto aos bebés, registaram-se melhorias nos sistemas respiratórios e cardíacos e aumentaram os níveis de oxigénio no sangue. Os recém-nascidos acalmavam em contacto com os pequenos polvos de malha, brincando com os seus tentáculos que se crê que lhes possa lembrar a vida in útero e o contacto que tinham com o cordão umbilical. O certo é que a palavra foi passando e há muitos grupos de voluntários por todo o mundo que estão a tricotar para os bebés.
Nas Caldas é a equipa da LACHCR que se dedica a fazer estas peças. “Já fizemos uma primeira remessa que foi entregue ao serviço de Neonatologia do Hospital”, disse Manuela Paula, acrescentando que os polvos foram distribuídos pelos bebés que lá estavam. Neste momento as voluntárias da Liga já se encontram a tricotar mais polvos para oferecer aos recém-nascidos no Dia Mundial da Criança. As voluntárias da Liga ensinam quem quiser aprender a fazer estas peças, todas as terças e quintas-feiras no Hospital Termal, no Espaço Rainha. Os “Polvos de Amor” têm-se revelado os melhores companheiros dos prematuros, enquanto fortalecem nas incubadoras.

Grupo de Voluntárias
O grupo de voluntárias que faz os famosos Polvos de Amor – Natacha Narciso