Externato avança com obras no pavilhão

0
16
Recinto desportivo, gerido pela escola, precisa de substituir a cobertura. A direção quer avançar com a obra este ano

O Externato Cooperativo da Benedita vai avançar com obras de melhoria no pavilhão desportivo e está a estudar a hipótese de abrir um novo curso profissional ligado às áreas económicas da região

Fundado em 1964 e propriedade do Instituto Nossa Senhora da Encarnação, o Externato Cooperativo da Benedita terá sido resultado da primeira cooperativa de ensino da Península Ibérica. Além disso, a instituição tem infraestruturas que utiliza nas atividades e que coloca à disposição da comunidade, como o Centro Cultural Gonçalves Sapinho e o pavilhão, sendo que aquela infraestrutura desportiva é a que necessita de uma intervenção mais urgente.

A escola gere o pavilhão e o Centro Cultural Gonçalves Sapinho, em parceria com outras entidades

Segundo Carlos Quitério, presidente da cooperativa, o pavilhão necessita de uma nova cobertura. O investimento necessário é na ordem dos 200 mil euros e a entidade pretende “realizar esta obra de beneficiação ainda este ano”.
Na vertente pedagógica, outro dos projetos do Externato em estudo é a criação de um curso profissional que possa ter em conta as principais áreas de desenvolvimento económico da região: a indústria da extração de pedra, o calçado e a cutelaria. “Ainda está em estudo esta possibilidade, mas acredito que jovens e empresas poderiam beneficiar desta formação que aposta em mão-de-obra especializada”, disse o dirigente.
Carlos Quitério frisa que o financiamento atribuído pelo Estado ao Externato, através do contrato de associação, “quase não chega para assegurar o salário do corpo docente”. Na opinião do dirigente, o Estado deveria contemplar verbas para a manutenção dos espaços escolares. “Não acontecendo, isso obriga a que a instituição tenha de fazer uma grande ginástica financeira de modo a conseguir chegar a todo o lado”, explicou.

O Externato oferece a alunos a possibilidade de terem projetos pessoais e extra-curriculares

“Uma escola de projetos”
A escola da Benedita, a primeira cooperativa dedicada ao ensino que foi criada no país, soube adaptar-se às necessárias aulas on-line que decorreram nos últimos meses.
O Externato regressou ao ensino presencial e, segundo o diretor pedagógico, Nuno Rosa, voltaram “com os mesmos cuidados pois ninguém quer que a situação da pandemia regrida”. “Somos uma escola diferente, pois nascemos da vontade da própria comunidade”, recordou o responsável, acrescentando que tem sido possível manter a escola “a servir os jovens desta região dado que não há aqui oferta pública”.
Segundo o dirigente, o Externato permite aos alunos “desenvolverem os seus projetos pessoais”. É-lhes dada a possibilidade de participar em programas de internacionalização como o Erasmus, além de outros relacionados com o voluntariado e com a inclusão.
Os alunos podem, fora do horário letivo, desenvolver as suas ideias sejam elas no campo da ciência, do teatro ou da música. Nuno Rosa destacou ainda que o Externato possui taxas de transição superiores a 95%. “Tentamos potenciar o melhor de cada estudante”, rematou Nuno Rosa.
Hoje em dia, a escola possui cerca de mil alunos, 80 professores e 30 funcionários. Tem 460 estudantes no 3º ciclo, 310 no ensino secundário e 220 que se encontram a frequentar os cursos profissionais. Estes últimos abrangem estudantes não só da zona como também dos concelhos vizinhos de Alcobaça. Alguns vêm dos concelhos de Rio Maior e das Caldas.
Os cursos são de Vendas, Design de Comunicação Gráfica, Multimédia, Mecatrónica, Informática e Desporto. Muitos dos alunos deste último curso prosseguem posteriormente estudos na Escola Superior de Desporto de Rio Maior. O Externato oferece, ainda, atividades ligadas à música, teatro, futebol, judo, karaté, xadrez, rugby e krav maga e não faltam clubes relacionados com áreas como a programação e robótica. Este último tem dado prémios e distinções aos estudantes.
O Externato aposta na formação de leitores, pois a entidade acredita que a leitura é um contributo chave para ter melhores alunos. Organizam concursos de escrita que abrem à participação de outras entidades de ensino da Benedita como a Universidade Sénior. ■