Professor caldense tem um dos dez melhores blogs educativos do país

0
2732
O blog nasceu no Dia da Liberdade e é, nas palavras do autor, “um exercício de cidadania”

Paulo Prudêncio é o autor do blog Correntes, que foi distinguido como um dos melhores blogs educativos do país

“A linha editorial do blog Correntes centra-se na educação e no exercício da cidadania”. É assim que a plataforma Twinkl começa por apresentar o blog de Paulo Prudêncio, professor na EBI Santo Onofre e que vive nas Caldas desde 1989.
Aquela editora educacional online contactou “com bloggers educacionais de todo o país” para criar uma lista dos dez melhores blogs educativos a apresentar aos visitantes do site, tendo escolhido o Correntes.
Mas esta não foi a primeira distinção daquele blog, que já em 2011 tinha sido distinguido como o melhor blog na área da Educação, na sequência do primeiro concurso desse tipo, organizado pelo blog Aventar.
No entanto, a mais recente distinção teve uma particularidade face às anteriores: é que não foi uma votação, mas sim um júri que reconheceu a qualidade do blog.
“Fiquei satisfeito e reconhecido, mas os prémios aumentam a responsabilidade”. O autor admite até que foi surpreendido com este reconhecimento, porque estava numa fase de maior moderação.
O blog apresenta no cabeçalho o título “Correntes”, com um subtítulo que o completa: “da pedagogia e em busca do pensamento livre”.
O primeiro post data de 25 de abril de 2004. “Vinha de um período muito intenso de gestão de organizações”, explicou o docente, que fez parte da equipa que coordenou o Centro educativo da Área Oeste e coordenou a natação n’Os Pimpões antes de ser presidente do Conselho Executivo e Pedagógico da EBI Santo Onofre “que então era uma unidade autónoma com alguns problemas sociais graves”.
Mal assumiu essa função, o professor definiu um limite máximo de mandatos, apesar de nada o impedir de continuar no cargo. Quando liderou os destinos da EBI, acabou com os boletins de renovação de matrículas (um passo que criava constragimentos a alunos, encarregados de educação e pessoal administrativo e que não era necessário, porque a maioria dos dados se mantinha). Nesse período, há mais de uma década, já o orçamento da escola era público e atualizado em tempo real online.

“Uma segunda pele”
A criação do blog dá-se um ano antes de terminar as funções na escola e após cerca de 15 anos de gestão. O primeiro objetivo da página era “escapar e oxigenar”.
Inicialmente a ideia era escrever sobre literatura, cinema e filosofia e é até curioso reparar que um dos primeiros posts refere que nunca iria escrever sobre educação. Só que, cerca de dois anos depois, as convulsões no setor em Portugal e o seu conhecimento e interesse sobre o assunto levaram à publicação de posts bem fundamentados, que mereceram centenas de comentários.
O blog ganhou dimensão nacional e “acabou por se tornar uma segunda pele” do autor. Os posts passaram a ser replicados em meios de comunicação social nacionais e Paulo Prudêncio começou a ser convidado para ser orador em palestras, conferências, programas televisivos, debates e eventos, assim como para a função de avaliador externo de vários professores. “Alguns tive que recusar, porque não tinha uma organização por trás, era eu que tinha que financiar tudo”, explica.
“Sou um indivíduo do planeamento e da antecipação, mas isto não foi nada planeado”, conta. Fazendo uma retrospetiva, o docente recorda que no início dos blogs não havia contadores, nem likes e só de vez em quando é que aparecia um comentário. Muitas vezes, os bloggers não faziam ideia se havia ou não alguém a ler os textos…

Docente caldense defendeu uma aposta nos horários desfasados para evitar contágios no regresso às escolas

Ao longo destes anos, o Correntes, que tem um registo diário, mantém-se sem publicidade, por opção. Já recebeu algumas propostas, mas recusou para poder manter a independência. Outra curiosidade é que se mantém alojado na Sapo.pt, uma opção que tem por base o critério de ser português. Hoje os blogs já são um clássico, algo que não o incomoda. “Eu gosto dos clássicos!”, exclama.
Paulo Prudêncio assume que é uma pessoa que tem opinião sobre os assuntos que domina, sendo alguém que gosta de a demonstrar. “Às vezes era mais fácil estar calado, mas também não tinha a mesma piada”, afirma. Em 16 anos de blog diz que nunca teve uma indelicadeza e nunca foi acusado de não citar as fontes ou de ter informações pouco correctas.
A maior parte do público são docentes portugueses, em Portugal e no estrangeiro.

Horários desafasados
O professor considera que neste contexto de pandemia o regresso dos alunos às escolas do ensino não superior deveria ter sido feito de forma escalonada, evitando concentrações desnecessárias. “Surpreendeu-me que tivesse começado o novo ano lectivo sem qualquer gradualismo”, disse.
O docente defendeu um modelo que permitia que numa escola de mil alunos nunca estivessem mais de 250 em permanência, mas que assegurava que a cada duas semanas cada aluno tinha uma semana de aulas presenciais. Esse modelo permitiria, ainda, que não houvessem turmas de 30 alunos numa sala.
Outra medida que poderia ser útil nesta era atípica seria o desencontro dos intervalos das várias turmas, evitando que se juntassem todos no recreio.