Vicara assinala primeira década de atividade

0
252
Os quatro designers que integram o núcleo duro da Vicara: Paulo Sellmayer, Eneida Tavares, João Xará e Tânia Martins

Empresa sediada nos Silos, que se dedica ao design, celebrar a primeira década de existência, a 6 de novembro. As 10 velas do bolo de aniversário são especiais, pois foram criadas por 10 designers

A empresa Vicara, sediada nos Silos, vai celebrar a 6 de novembro os primeiros dez anos.
“Desde 2011 que não faltam projetos, pessoas e emoções que contam a história feliz de um projeto onde se aliam os saberes com a contemporaneidade”, disse Paulo Sellmayer, um dos responsáveis por esta empresa, que tem dado cartas não só no mercado nacional como internacional.
Mas nada como começar a história pelo início. Em 2010 , Paulo Sellmayer e Fábio Afonso terminavam o curso de Design Industrial na ESAD e quiseram materializar as suas primeiras ideias e como tal. “Decidimos investir num estúdio próprio nos Silos”, contou Paulo Sellmayer, que se mantém como responsável da empresa.
“Era tudo novo e, apesar de não ter corrido tudo bem, a identidade gráfica e o logo da Vicara mantêm-se até hoje, desenhadas por colegas formados na ESAD”, acrescentou o autor, que recorda com gosto aquela primeira fase da empresa em que havia poucos sites e não se conhecia bem onde estavam os colaboradores necessários ao desenvolvimento dos projetos.

Peças da colecção Tasco que inclui peças de vários autores

Vivia-se, então, numa época em que se exigia que se “escavasse” para encontrar contactos de empresas e de colaboradores.
Entretanto juntou-se à equipa Joaquim Bastos e a Vicara muda-se para Lisboa, quando já tinha dois produtos: um “Candeeiro Cartonado” de Fábio Afonso e o “Cristo Purificador” de Paulo Sellmayer, peças que eram vendidas em lojas físicas e eram pedidas para clientes de quase todos os continentes.
“Percebemos que era possível fazer bem as coisas, com poucos meios, só que precisávamos de mais tempo”, disse o designer, acrescentando que apesar de terem bons produtos, era preciso seguir por outros caminhos de maior estabilidade.
Paulo Sellmayer tornou-se bolseiro e passou a dedicar-se à investigação. Na época, vinha com frequência às Caldas e tomou contacto com um grupo de autores que estava a frequentar o mestrado em Design de Produto da ESAD.
As obras de Eneida Tavares, Jorge Carreira e Samuel Reis e, mais tarde, de Vítor Agostinho destacavam-se e acabaram por passar a fazer parte do catálogo da Vicara. Em conjunto, as propostas dos autores formaram a coleção Terra, que foi apresentada com sucesso na Arquivo, em Lisboa. Seguiram-se presenças em feiras internacionais, como a Maison & Objet Paris, onde se venderam dezenas destas peças únicas.

Peças icónicas que ainda hoje são vendidas em pequenas séries

A marca ganhou novo fôlego e Paulo Sellmayer volta a dedicar-se a 100% à empresa.
Estas peças de cerâmica, vidro, e de técnica mista são hoje verdadeiros clássicos, fazem parte da coleção Iconics da empresa e ainda são comercializadas, não só em Portugal como no estrangeiro.
“Na época, procurámos qual era o melhor modelo com benefício mútuo e ainda hoje fazemos este exercício”, disse à Gazeta o responsável, acrescentando que as peças da coleção Terra fazem parte da coleção do Museu do Design e da Moda.
Desde então, Paulo Sellmayer comprovou “que é possível trabalhar como designer e criador das próprias peças quando se aposta na manualidade”, explicou.
“Acreditamos na ideia de que o design pode ser o motor cultural”, disse o designer, que tem apostado em novas coleções, projetos que fizeram a Vicara crescer em número de clientes, de colaboradores e de designers. Aposta, ainda, em duas estratégias comerciais: vendem produtos únicos de autor e outros especializados para lojas de museu.
“Vendemos neste momento para dez lojas de museus em Portugal e do mundo”, disse o autor, explicando que, com a pandemia, estas foram as últimas a reabrir. Por isso, “foi a coleção Iconics que acabou por ser o ganha-pão da empresa” durante meses, dado que continuaram a vender online e na loja física que têm na sede, nos Silos, local para onde a Vicara regressa em 2019. Atualmente há quatro pessoas no núcleo duro da Vícara.
“Nas Caldas trabalhamos com mais nove autores ligados à cerâmica, carpintaria e vidro, ou seja, tudo o que tenha haver com design e os seus ofícios”, disse Paulo Sellmeyer, explicando que têm uma rede mais alargada de colaboradores noutras localidades como por exemplo na Marinha Grande que colaboram em projetos de forma pontual.

As 10 velas de 10 designers que assinalam a primeira década da empresa

Nos últimos três anos, as peças da empresa são adquiridas para decoração de interiores e requisitadas para a decoração de hotéis. Integram também catálogos e stands de marcas italianas e ainda estão a consolidar-se como agência de design, trabalhando para clientes estrangeiros que se instalam em Portugal.
A Vicara é também consultora de produção e trabalha para ateliers de arquitetura e empresas ligadas à Corticeira Amorim.
Para assinalar a primeira década, está a ser criado um novo catálogo e site que será lançado a 6 de novembro.
“Estamos confortáveis e a trabalhar para o mercado nacional e queremos que venham aos Silos para nos conhecer”, contou o responsável, acrescentando que alguns clientes, americanos e franceses, têm vindo às Caldas fazer compras as suas lojas na Vicara.
“Adoramos e vamos continuar a contar como as coisas são feitas. Somos apaixonados pelos processos, pelos materiais e técnicas. É algo que está no nosso DNA”, afirmou o responsável, que garante que a marca continuará a apostar no design e na experiência manual, onde a imperfeição pode ser um detalhe distintivo”. ■

 

Cronologia

2011
CRIAÇÃO DA MARCA, Paulo Sellmayer e Fábio Afonso criam a marca Vícara e abrem estúdio nos Silos
PEÇA PREMIADA, “Cristo Purificador”, de Paulo Sellmayer, recebe menção honrosa na 3ª edição dos Projetos Originais Portugueses de Serralves. Peça à venda na loja do museu e também em Fátima

CANDEEIRO CARTONADO Fábio Afonso cria candeeiro em cartão, que foi publicado em meios internacionais e se manteve no topo das pesquisas por candeeiros ecológicos

2012
COLABORAÇÕES Vicara muda-se para Lisboa e faz parceria com Sumol e Compal para design e construção de um sofá de paletes para sede da empresa

2013
FINANCIAL TIMES, Candeeiro cartonado sai na capa do Finantial Times, na edição de fim de semana. Representam outros autores

2015
COLEÇÃO TERRA, exposição em Lisboa com as peças de Eneida Tavares, Jorge Carreira e Samuel Reis. Peças apresentadas na Maison& Objet com êxito. Continuam a ser comercializadas
SEDE EM LEIRIA Vicara conhece nova sede, onde permanece até 2019, altura em que volta aos Silos, nas Caldas

2019
TASCO TABLEWARE uma coleção que une a olaria ao trabalho de autores contemporâneos

2021
ASSINALADA PRIMEIRA DÉCADA Novo catálogo, site e coleção de velas criadas por dez designers e feitas na Promol

 

Juntar designers, ilustradores e artesãos

Um dos autores que integrou o projeto é o ilustrador caldense Mantraste

Vicara vai continuar a apostar em alianças entre a tradição e a contemporaneidade

Uma das coleções da Vicara, a Tasco Tableware, iniciada em 2019, “tem sido importante para validar ideias sobre criação de marca, ativação cultural de polos cerâmicos”, disse Paulo Sellmayer, que convidou vários designers a criar modelos para peças de olaria tradicional portuguesa. As novas criações têm sido bem recebidas pela mercado e acabou por ser “uma importante ajuda para muitos oleiros sem feiras durante a pandemia”.
No verão passado, esta coleção teve um novo desenvolvimento com a residência artística que a Vicara realizou em Viana do Alentejo.
O projeto “Tasco em Viana” juntou ilustradores José Torres Mantraste, Mariana Malhão e Mariana, a miserável que se reuniram aos dois designers da Vicara e a dois oleiros e a duas pintoras daquela localidade. Alguns dos autores convidados obtiveram a sua formação na ESAD.
A iniciativa excedeu as expetativas de todos os participantes pois resultaram belas peças que aliam a tradição ao design contemporânea. “Este tipo de iniciativas pode trazer alguma vida às artes e ofícios das localidades”, disse Sellmayer acrescentando que a iniciativa teve o apoio do município alentejano. A ideia de convidar e reunir outros designers e saberes é garantidamente para continuar e, por isso, para celebrar a primeira década foram convidados autores que estão a colaborar pela primeira vez com a marca. Um deles é o ceramista e escultor caldense Vítor Reis, mas há outros como Toni Grilo e Sara de Campos, que têm propostas diferentes no que diz respeito a uma vela de mesa convencional. Além do mais, junta-se também a fábrica Promol, pois a Vicara continuará, como é seu apanágio, a apostar no trabalho em rede.
As dez velas deste bolo imaginário de aniversário serão apresentada serão apresentadas ao público ao longo de todo o mês. “Comprova-se que há caminho nas parcerias que fazemos”, contou o responsável acrescentando que ao fim de dez anos a editar a comercializar e a promover projetos produtos e designers acreditamos que criámos condições para a sustentabilidade de um ecossistema de design, crafts e de manufatura”, rematou o designer que também cria as suas peças para as coleções da empresa que criou com um amigo assim que terminou a faculdade.
A Vicara, que pretende consolidar a sua presença no mercado nacional, vende para 15 países e as peças da marca estão presentes em cerca de 60 lojas. ■