Assembleia de Óbidos viabiliza reabilitação da Casa dos Seixos

0
179

A maioria dos deputados municipais aprovaram a repartição de encargos que permite o arranque da obra que transformará o edifício num espaço colaborativo e sede da junta de freguesia da Amoreira

A Casa dos Seixos, localizada na Amoreira, vai sofrer obras de requalificação para albergar mais um espaço colaborativo no concelho, assim como os serviços da junta de freguesia.
A obra, com um investimento total superior a 516 mil euros, foi aprovada na Assembleia Municipal de Óbidos pela maioria dos deputados (PSD, CDU e BE) a repartição de encargos pelos anos de 2021 e 2022. O PS absteve-se na votação, questionando a oportunidade da intervenção e se não haveria neste momento de pandemia investimentos prioritários a realizar.

“Reconstrução da Casa dos Seixos e todos os investimentos que se possam lançar são fundamentais para a criação de postos de trabalho e emprego”

Rui Raposo, CDU

“É verdade que se trata de uma obra importante para a freguesia da Amoreira, parece-nos inoportuna por considerarmos que há despesas mais prementes a fazer”, disse o deputado socialista António Marques, reconhecendo, contudo, que a gestão caberá ao município.
O presidente da Câmara, Humberto Marques, garantiu que a autarquia continua disponível para apoiar, do ponto de vista social, a população, e destacou que esta requalificação faz parte da estratégia futura do município.
“Trata-se de um equipamento que não será só a sede da Junta de Freguesia, mas sobretudo um espaço de desenvolvimento comunitário e de novos negócios, para poder dar a mão a pessoas que estão no desemprego e que ali podem ter o seu primeiro estímulo”, explicou.
Também o comunista, Rui Raposo, manifestou o seu apoio a esta intervenção, lembrando que se trata de um investimento em favor da população da Amoreira, que está previsto e orçamentado para esse fim.
“A natureza dos apoios que vão para a Casa do Seixo e de apoio no plano da saúde e social às populações são diferentes”, realçou, destacando o esforço que o poder local tem feito, sobretudo na área social, suprir falhas do poder central. “A reconstrução da Casa dos Seixos, a obra dos Antigos Armazéns do Vinho (em A-da-Gorda) e todos os outros investimentos que se possam lançar são fundamentais para criar postos de trabalho e emprego”, defendeu. Para além disso, a Amoreira não tem uma estrutura adequada, nomeadamente para o desenvolvimento de atividades de ordem cultural, concretizou.
Com financiamento do Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas (IFFRU), a reabilitação da “Casa dos Seixos”, localizada no centro da localidade, terá uma “intervenção mínima” de forma a “respeitar, preservar e recuperar os valores estéticos, históricos, arquitetónicos e urbanísticos inerentes aos edifícios de valor patrimonial”, refere a memória descritiva.
Também já arrancou a obra nos antigos Armazéns do Vinho, em A-da-Gorda, que albergará também um espaço colaborativo a sede da União Filarmónica local. A sua conclusão está prevista para junho.

Missiva por uma UCI no Oeste
Esta reunião ficou ainda marcada pela unidade, entre todas as bancadas municipais, na elaboração de um documento, a enviar ao governo e Assembleia da República, que apela à construção de uma Unidade de Cuidados Intensivos no Centro Hospitalar do Oeste.
A missiva surge por iniciativa do deputado municipal do BE, João Paulo Cardoso, que lembrou que, antes da pandemia, a administração do CHO tinha anunciado o projeto de um milhão de euros para a concretização de uma Unidade de Cuidados Intensivos na região.

“A criação de uma UCI na região Oeste é uma necessidade urgente”

João Paulo Cardoso, Bloco de Esquerda

“Temos três hospitais da região: Caldas, Peniche e Torres Vedras, mas nenhum deles tem cuidados intensivos”, lembrou o bloquista, acrescentando que durante um ano, o Governo expandiu as unidades em vários locais, mas que o Oeste ficou para trás. João Paulo Cardoso referiu ainda que, na passada semana, o BE também fez uma pergunta ao Governo no sentido de saber se o projeto se mantém e se assim for, quais as previsões para a sua entrada em funcionamento. “Esta é uma necessidade urgente e que afeta bastante o concelho de Óbidos”, sustentou.
O PSD, PS e CDU viram com “bons olhos” esta necessidade de este reforço na resposta aos cuidados de saúde no Oeste, mas colocaram a tónica na construção de um novo hospital.
Para o presidente da Câmara “tem de ser assumido que o essencial é a construção de um novo hospital”. Humberto Marques concorda com o reforço das estruturas existentes, mas considera que isso não resolve o problema do Oeste, de falta de capacidade de atração de profissionais de saúde e de áreas ajustadas ao perfil de saúde da região.

“A forma como a saúde e a educação chega às pessoas tem de ser supra-partidária”

Anabela Blanc, PS

A socialista Anabela Blanc questionou o chefe do executivo sobre a situação pandémica no concelho, nomeadamente se está a ser feito tudo o possível para proteger as pessoas, sobretudo as que estão nos lares, e deixou a “disponibilidade” da sua bancada para viabilizar os reforços necessários. “A forma como a saúde e a educação chega às pessoas tem de ser suprapartidária para ser igualitária e justa para todos”, referiu.
Anabela Blanc manifestou ainda o desejo de, na Assembleia de Abril, aprovar um voto de pesar, subscrito por todos os grupos municipais, às vitimas da covid e apresentar as condolências às famílias.
Humberto Marques deu nota da intervenção feita e dos apoios prestados. Lembrou que, quando se debateram com a falta de pessoal para tratar dos doentes infetados, a Câmara apoiou as instituições com um reforço no valor a pagar às equipas. Isto porque, explicou, o salário pago pela Segurança Social às equipas para irem para a frente de combate é muito baixo e não conseguiam arranjar interessados. ■