Loja de lingerie Vonita assinalou 24º aniversário

0
189
Ivone Gama mostrando uma série que ainda hoje é usada por muitos dos seus clientes

Vende lingerie para mulher, homem e criança há um quarto de século e celebrou recentemente o aniversário, premiando os clientes.

Ivone Gama sempre trabalhou no comércio. Antes de ter o seu negócio próprio, esteve ligada a outras lojas nas Caldas e em Alcobaça, de onde é natural. Há 24 anos, a empresária veio ao Centro Comercial Avenida para beber um café e surgiu a hipótese de ficar com o trespasse de uma loja, tendo decidido iniciar o negócio em lingerie, para mulher, homem e criança. E escolheu dar à loja o nome que os mais chegados lhe chamam: Vonita.
Tem 68 anos e vive nas Caldas há 42, quando casou. A empresária, que é mãe de dois rapazes, partilhou com a Gazeta que, ao longo destes anos, viveu bons e maus momentos, revelando que é graças à sua clientela antiga que ainda hoje mantém o seu espaço comercial. Aposta forte no atendimento personalizado e na variedade de stock e mantém práticas comerciais como as “séries” que eram inicialmente usadas para comprar os enxovais.
Os clientes pagam um euro por semana ou o valor correspondente no final do mês e podem ir juntando várias. Depois, sem gastar mais um tostão “podem aviar-se com as prendas de Natal, com o que já pagou durante o ano”, explicou.
Ivone Gama diz que as novas gerações não dão importância a estas tradições, mas dado que os clientes regulares gostam, vai mantendo estas práticas comerciais, ainda em uso nalgumas, poucas, lojas caldenses.
“Nos aniversários da loja faço sempre algo que relembre a celebração”, contou a comerciante que este ano fez rifas e as ofereceu aos clientes. Todas premiadas, deram direito a peças como cuecas, meias ou collants. Ao longo da carreira, Ivone Gama apostou sempre em marcas portuguesas e europeias, sobretudo pela qualidade.
“Tenho clientes de toda a região Oeste e algumas, muito fiéis, de Lisboa, que também trazem as suas amigas”, disse a empreendedora, para quem é importante “saber entender as pessoas”.
“Vivo um dia de cada vez…”, disse a empresária, já aposentada, mas que tem revelado grande capacidade de gestão, algo que lhe permitiu ultrapassar momentos árduos. Foi sem qualquer problema que, durante o confinamento, foi à casa das clientes vender o que estas precisavam.
“Se fosse mais nova, apostaria nas vendas online”, contou Ivone Gama, que até queria ter mais do que um espaço. O ideal seriam três com um deles “sempre com promoções para permitir renovação permanente de stock”, rematou a empresária.