Elsa Rebelo abriu ao público o seu espaço de trabalho nas Cruzes

0
2899
Elsa Rebelo
A ceramista caldense mostrando as peças que estiveram em exposição na Batalha

A ceramista Elsa Rebelo tem o seu atelier nas Cruzes (Salir de Matos). Entre os dias 1 e 4 de Dezembro, a autora abriu-o ao público, dando a conhecer o seu espaço oficinal e a sua colecção de obras.
Segundo a autora, o atelier poderá voltar a abrir portas na próxima Primavera com demonstrações e realização de mini-workshops sobre cerâmica.

É na casa de família de Elsa Rebelo, nas Cruzes, que a ceramista possui o seu atelier. Tem um pequeno forno e por todo o lado há peças de cerâmica criadas por esta artista, filha e irmã de ceramistas e que é também a directora artística da Fábrica Bordallo Pinheiro.
“Este espaço é o meu refúgio, é o sítio do meu desassossego criativo”, contou.
O local é agradável e por todo o lado podem conhecer-se peças da autora. Em prateleiras estão grandes cabeças, esculturas de grandes dimensões que integraram a exposição internacional Corpus, que esteve patente em Julho passado no Museu Malhoa. Encostada à parede, está uma mesa com grandes cálices cerâmicos, decorados com cores fortes, que estiveram na exposição Graal, no Mosteiro da Batalha, há cinco meses.
“Esta intitula-se Delírio, aquela é Valsa e essa aí, chama-se Bairro”, disse a autora, enquanto mostra peças de grandes dimensões, colocadas numa outra área. São peças arrojadas, na forma e na decoração, e que Elsa Rebelo considera que personalizam o espaço onde são colocadas. Quer ainda que estas sejam uma espécie de companhia para quem as adquire, como se fossem peças de estimação. Até porque as obras “envelhecem connosco”, afirma. E explica: “a transformação da peça não acaba quando sai do forno pois a acção do tempo faz-se sentir, por exemplo, nas novas tonalidades que vão ganhando as suas cores”.
A ceramista descreve com entusiasmo as técnicas que utiliza para fazer e decorar as suas peças, num longo processo de pesquisa que une técnicas contemporâneas e antigas, próprias da cerâmica caldense.
No atelier da autora há também pequenas peças, como animais que se transformam em paliteiros e até presépios. No Inverno, a autora dedica-se à produção de peças mais pequenas: cria anéis ou pregadeiras, permitindo assim um encontro entre a cerâmica e a joalharia.
Mesmo nestas peças mais pequenas, a ceramista alia várias técnicas decorativas e mistura vários barros. Seja para que trabalho for, Elsa Rebelo parte sempre das formas oláricas para depois dar às obras o seu cunho pessoal e contemporâneo. “Procuro sempre elevar a cerâmica a um objecto de arte contemporânea”, disse a autora que busca sempre o necessário equilíbrio entre a forma e as cores, que aliás são feitas pela própria.
A autora irá agora voltar a fechar as portas do seu atelier de trabalho, depois de quatro dias de visitas de vários amigos e compradores dos seus trabalhos. A próxima abertura está prevista para a Primavera e a autora está a pensar fazer demonstrações e até organizar workshops para quem quiser visitá-la no seu refúgio. O atelier fica na Rua da Cabine, nas Cruzes (Salir de Matos).