Caldense lança primeiro livro de colecção para a infância

0
5032
Sandra Gil
Sandra Gil com “Natureza às Avessas”, o seu primeiro livro infantil

“Natureza às Avessas”, assim se designa o primeiro livro infantil de Sandra Gil. Aproveitando as férias de Natal, a autora – que vive na Cidade do Cabo (África do Sul) – apresentou, no sábado, 17 de Dezembro, o seu primeiro livro infantil. Esta caldense, que já fez um doutoramento sobre a Rainha D. Leonor, promete que vai continuar a escrever e a editar, não só para miúdos mas também para os graúdos.

O que aconteceria se as zebras perdessem as riscas, os leões a juba, os galos ficassem sem crista, as tartarugas sem carapaça e o jacaré sem dentes?… Foi destas premissas que partiu Sandra Gil para dar vida a “Natureza às Avessas”. A obra, escrita em rima, foi ilustrada por Jeanne du Plessis e editada pela Chiado Editora.
Antes da apresentação nas Caldas, que contou com a presença de amigos e familiares da autora, a obra foi apresentada numa livraria lisboeta a 10 de Dezembro.
A caldense, de 37 anos, vive há vários anos na Cidade do Cabo, em África do Sul. É editora na filial sul-africana da Oxford University Press e coordena a edição de manuais e materiais pedagógicos para 12 países, desde o pré-escolar ao secundário. Por esse motivo viaja com muita frequência por toda a África. E nem sempre o pode fazer de avião. Foi durante uma viagem de oito horas de autocarro no Zimbabué, que a autora teve a ideia de criar “Natureza às Avessas”.
Enquanto percorria estradas em mau estado, num dia de muito calor, Sandra Gil ia-se cruzando com vários animais e logo lhe surgiu a ideia de imaginar o aconteceria se estes perdessem as suas características. E criou uma história “engraçada” onde há um plano para que tudo possa regressar ao normal e que “tem uma lição de moral no final”, afirmou a autora.
Após a atribulada viagem pelo Zimbabué, quando Sandra Gil chegou a casa, falhou a energia eléctrica. A autora não se deixou vencer pela adversidade e por isso “Natureza às Avessas” começou a ganhar forma à luz da vela e as primeiras ideias foram escritas até a duração da bateria do seu computador o ter permitido.
A autora dedica o livro à sua avó pois esta sempre lhe disse que um dia ela tinha que partilhar o que escrevia. Escrever é algo que faz desde tenra idade. “Natureza às Avessas” é o primeiro livro a ver luz e assim, Sandra Gil quer iniciar uma colecção de oito histórias que agora aguardam vez para passar ao papel.
Estas têm nos animais os protagonistas e apostam no desenvolvimento vocabular dos leitores pois vão-se tornando um pouco mais complexas. Como a ilustradora da obra Jeanne du Plessis é sul-africana, a caldense traduziu a obra para Inglês e, como tal, também gostaria de editar uma edição bilingue.

Escrever para miúdos e graúdos

Sandra Gil também escreve prosa e poesia para adultos e como deu agora o primeiro passo em relação à edição, espera poder continuar a partilhar o que até agora tem ficado na gaveta. Desde os 15 anos que esta autora concorre e vê a sua escrita distinguida com vários prémios de concursos nacionais literários.
Sandra Gil já tinha sido notícia na Gazeta das Caldas quando em 2009 fez uma tese de doutoramento sobre as Memórias da Rainha D. Leonor nas Caldas da Rainha. Diz que gostaria de a editar e contou que continua a manter-se a par sobre tudo o que sai sobre a Rainha que fundou a cidade. A sua tese tem sido consultada por investigadores portugueses, mas também do Brasil e dos EUA.
A autora diz que os pedidos para consulta do seu trabalho “dão-me alento para continuar a estudar a Rainha que, apesar de ser portuguesa, pelo interesse que desperta noutros investigadores, também tem um carácter internacional”.

Natal com calor vivido na praia

Sandra Gil aproveitou o facto de vir passar o Natal com a família para lançar o seu primeiro livro. Gosta sempre de regressar à sua terra natal e mantém fortes ligações através dos seus familiares e amigos. Não acha que a cidade tenha muitas diferenças em relação a anos anteriores mas não se cansa de salientar as iluminações de Natal.
Assim que foram inauguradas, os seus amigos enviaram-lhe logo as notícias sobre a decoração natalícia, que agora a autora já teve a oportunidade de comprovar ao vivo.
E assim, Sandra Gil vive um Natal ocidental, muito diferente do sul-africano. E isto porque lá “é Verão faz muito calor. Equivale ao que se vive aqui em Agosto”, disse. Além do mais as crianças estão de férias, durante mais de um mês, e por causa do bom tempo é na praia que se passa a quadra natalícia. Assim em vez de comer bacalhau e conversar com a família à lareira, em África do Sul vive-se esta celebração convivendo na praia e banhando-se no oceano. Segundo a caldense, nesta época natalícia fazem-se muitos passeios e muitos piqueniques.