Caldas – La Codosera voltou a ser marcado pela chuva

0
375

Realizou-se no passado fim-de-semana a 28.ª edição do Ciclo Brevet Internacional, pelo segundo ano consecutivo realizado entre Caldas da Rainha e La Codosera, com organização da Federação Portuguesa de Cicloturismo com o apoio do Sporting Clube das Caldas e o alto patrocínio da Câmara Municipal das Caldas da Rainha. Tal como no ano passado, a chuva fez-se convidada para o evento que anualmente liga as estremaduras portuguesa e espanhola, o que retirou alguma cor ao pelotão que atravessou a fronteira. Dos 350 inscritos à partida, foram pouco mais que meia centena os que concluíram a jornada.

De resto, a chuva fez questão de acompanhar quase todo o percurso, desde as Caldas da Rainha até Castelo de Vide, no primeiro dia, poucos foram os quilómetros feitos a seco. Como se trata de um passeio e não uma competição, os percursos não são obrigatórios e no segundo dia poucos foram os que se atreveram a fazer-se à estrada no segundo dia.
À saída de Castelo de Vide a chuva parou e algumas equipas acabaram por montar nas bicicletas já a meio do percurso, mas depois de Portalegre a água voltou a cair com intensidade e parecia não querer parar. Foi já depois do arranque final para Codosera, com mais alguns elementos a juntarem-se ao pelotão, e tal como aconteceu no ano passado, que o sol voltou a abrir e a acompanhar a coluna até La Codosera.
<>A chegada fez-se perante a presença de muitos populares que, ora espreitando das suas janelas, ora saindo mesmo à rua, vieram dar o seu apoio aos resistentes. Uma recepção que deixou Mário Lino, colaborador da organização, satisfeito apesar de nova partida da chuva. “No ano passado fizemos a prova em Junho, choveu, este ano mudámos para Maio, voltou a chover, o que nos estragou a festa das bicicletas, a recepção foi muito boa, se o tempo estivesse melhor porventura teríamos ainda mais gente, mas foi uma recepção engraçada”.

Este ano, apesar de manter a média de participações dos últimos anos, o Cliclo Brevet Internacional teve participação de novas equipas, com destaque “para algumas que vieram de muito longe das Caldas, como a de Santo Tirso que participou pela primeira vez, e do Algarve, de onde tivemos Tavira e Olhão”.

Para o Alcaide de La Codosera, foi novamente uma satisfação receber a festa das bicicletas na sua cidade, “foi uma satisfação e um orgulho para nós poder contar em La Codosera com um evento destes, que une dois países com culturas e idiomas diferentes”, disse Manuel Piris.

Este evento é, para o Alcaide, “o começo de um estreitar de relação”, e para já consequência directa vai ser Caldas da Rainha ter o seu nome numa das ruas daquela cidade. “Temos uma rua que é a Avenida Portugal, que se vai passar a chamar Avenida Portugal – Caldas da Rainha, antes tínhamos um todo, agora será Caldas da Rainha a representar esse todo que é Portugal”.

Manuel Piris teve recentemente oportunidade de conhecer Caldas da Rainha, que classificou como “uma cidade encantadora, pelas gentes, pela gastronomia, pelas termas, pela praia”, registando com particular interesse “a lagoa, é como um braço do mar e nós tentamos que La Codosera seja como uma lagoa, um braço de Espanha que entra em Portugal para que possamos conviver”.

Também Tinta Ferreira, vereador do desporto da Câmara Municipal das Caldas da Rainha vê com bons olhos o intercâmbio que se gera à volta desta iniciativa do cicloturismo, pelo que este é um investimento importante para o município. “Isto vai para além da componente desportiva, é as Caldas da Rainha a afirmar-se na Extremadura espanhola, é um intercâmbio cultural que se deve manter porque poucas terras fazem isto que nós fazemos”.

O vereador vê a atribuição do nome da cidade a mais uma rua numa localidade espanhola como “um sinal de amizade, de consideração e de reconhecimento por este esforço essencialmente do Mário Lino e do Sporting Clube das Caldas, mas também da Câmara e de todos nós em manter esta relação, estamos muito gratos, nós também temos algumas localidades espanholas em nomes das nossas ruas e o mais interessante é que já estivemos a conversar com o Alcaide a possibilidade de voltar cá para o ano”.

Mais informações em Gazeta das Caldas impressa