Formar para o futuro é palavra-chave

0
148

Há 12 anos que a empresa caldense tem vindo a apostar numa área de negócio que necessita de uma permanente inovação e especialização dos conteúdos formativos em diversas áreas

As alterações legislativas de 2009 para o setor da formação profissional foram a oportunidade de negócio explorada pela empresa familiar Sobreiro Duarte, Lda, nascida em 1986 para a formação de condutores de veículos automóveis. Foi criada a Sentidos Dinâmicos, marca do Grupo SD, que marcou a rutura com a escola de condução e, com a entrada dos dois filhos de Joaquim e Fátima Sobreiro Duarte, a aposta passou a ser a formação profissional e, concretamente, na certificação de motoristas.
A Sentidos Dinâmicos foi uma das primeiras empresas do país que nasceu nesta área, com a certificação oficial do respetivo centro de formação. “Aproveitámos essa nova oportunidade para entrar no mercado da formação profissional”, destaca, a propósito, Pedro Duarte, gerente e responsável pela coordenação da formação da empresa. Pouco depois nascia a Psicoeste, empresa do grupo responsável pela avaliação de condutores, que até então era uma obrigatoriedade para os condutores profissionais de passageiros, mas que foi alargado para os motoristas de mercadorias. Até 2011 regista-se, em todo o país, uma procura muito intensa para a obrigatoriedade da certificação de motoristas, imposta por lei, que levou à consolidação da empresa no mercado.

Sentidos Dinâmicos tem 10 colaboradores nas Caldas da Rainha e mais de 60 formadores espalhados por todo o país

Com a passagem dos anos, a Sentidos Dinâmicos começou a alargar a área de intervenção na formação profissional, com a diversificação da oferta do leque de oportunidades formativas, tanto para empresas, como a nível particular. Os cursos para transportes de crianças, transporte de mercadorias perigosas, foram outras ofertas entretanto criadas para o mercado. “É este o nosso ‘core business’ mas depois fomos alargando a nossa atividade para a segurança e higiene e para a avaliação psicológica, que continuamos a manter ao longo dos anos”, sublinha Pedro Duarte.
Ao longo dos 12 anos, a empresa foi enfrentando os altos e baixos da atividade económica, nomeadamente as duas crises que, entretanto, impuseram grandes constrangimentos à atividade económica do país. Entretanto, também a competitividade no setor aumentou, com o aparecimento no mercado de novas empresas, pelo que as margens negociais foram naturalmente sendo reduzidas, devido à concorrência que, entretanto, se gerou no ramo.

A formação à distância representa mais de metade do número de horas ministrado

Presentemente, a formação à distância representa mais de metade do número de horas ministradas no portefólio de meia centena de cursos profissionais, em que continua a assumir particular destaque a área dedicada aos serviços de transportes. O que também tem permitido chegar a outros pontos do país e do estrangeiro. “Como estamos sediados nas Caldas da Rainha, o nosso raio de ação geográfico era condicionado, o que não acontece com o recurso à formação online. Os centros de transporte estão localizados nas zonas do Carregado, Mealhada e Coimbra, onde existem muitas das plataformas logísticas, elo que com este novo recurso torna-se mais simples de trabalhar com muitos dos cerca de mil clientes que temos em todo o país”, destaca Pedro Duarte.
Este novo paradigma comunicacional veio também permitir às empresas que, à distância, possam alocar mais facilmente os seus colaboradores para participarem nas ações de formação, sem comprometer o funcionamento do dia-a-dia da instituição. São recursos que, nos dias de hoje, não são negligenciáveis no mundo dos negócios. ■