Oestina que estuda nas Caldas sagrou-se campeã europeia em pastelaria

0
257
A campeã europeia com o diretor da escola, Daniel Pinto, e o chef Bruno Marques

A jovem Leonor Gaião trouxe para a região a medalha de ouro no concurso da associação europeia, em Tallin

“Mixed Feelings” foi o nome da sobremesa apresentada a concurso por Leonor Gaião na competição de Pastelaria dos 34.° Concursos Europeus da AEHT – Associação Europeia de Escolas de Hotelaria e Turismo, recentemente realizados em Tallinn (Estónia) e que arrebatou o júri.
A jovem de 25 anos, natural de Alenquer e que frequenta o curso de Gestão e Produção de Pastelaria, já tinha conquistado o interescolas a nível nacional, em maio, em Vila Real de Santo António, o que lhe deu a passagem para a prova europeia.
Depois de um mês de preparação, com a ajuda do chef formador Bruno Marques, desenvolveu várias receitas, mas estes concursos promovem, além da competitividade, a cooperação. É que quando chegou à Estónia conheceu o colega belga, Kenji Van Geit, da Escola Colomaplus, com quem faria dupla. Em apenas dois dias, a dupla tem de se adaptar, bem como às suas receitas. Os nervos durante a prova também foram uma realidade e, durante o concurso e no final, os tais sentimentos contraditórios, que deram nome à receita.
“Mixed Feelings” tem creme de maracujá, bolo de cenoura e avelã, massa oublie recheada com mousse de queijo creme e streusel de cacau e depois leva espuma de rum.
“Nós sabíamos que os sabores estavam lá e que combinavam bem, mas o empratamento não foi como queríamos”, contou a doceira, notando que tal se deveu à espuma de rum, que queriam colocar posteriormente e que assim não deu o aspeto que procuravam.
A prova, que colocava frente a frente 12 duplas (de 24 países), durou duas horas e meia e contava com meia-hora para a higienização do espaço de trabalho, porque nesta prova eram avaliadas, não só as várias caraterísticas do produto desenvolvido, mas também outros fatores, como a limpeza e arrumação da cozinha ou os desperdícios realizados.
E, no fim, a dupla luso-belga foi mesmo anunciada como vencedora. Mal soube que tinham ganho, a vencedora não escondeu a emoção. “Não estava à espera”, disse Leonor, acrescentando que naquele momento sentiu a falta dos seus familiares para festejar.
A paixão pelos bolos vem desde sempre e vem de família. “A minha mãe sempre fez bolos e muitas vezes o tempo juntas era passado a fazer bolos”, conta. Entretanto também havia trabalhado numa fábrica de pastelaria ultracongelada. “Gostava do trabalho que fazia, mas era repetitivo”, recorda a jovem, que decidiu concorrer à EHTO, escola na qual queria tanto entrar que até se inscreveu nos dois níveis.
E se, no momento da final, sentiu a falta da família, o que não contava é que logo à chegada a Portugal tivesse uma receção digna do título de campeã europeia que trouxe de Tallin, com quase duas dezenas de familiares, com bandeiras de Portugal.
A oestina pretende continuar a formação nesta área e trabalhar para ganhar experiência antes de cumprir o sonho de abrir o seu próprio espaço.
Em declarações à Gazeta, elogiou as oportunidades que a escola lhe tem concedido e agora, com este reconhecimento, muitas outras estão a surgir, como a realização de um almoço gastronómico na escola com esta sobremesa, a participação no Jovem Talento da Gastronomia ou o estar presente no Festival de Chocolate de Óbidos, entre outras.
Outra curiosidade é que a dupla campeã deverá estar novamente reunida, tendo surgido a hipótese de realizarem um intercâmbio entre as duas escolas.
De sorriso no rosto e medalha ao peito, por cima da jaleca, a campeã europeia mantém a humildade e faz questão de agradecer aos formadores, à família e amigos e ao colega de equipa belga com quem produziu esta sublime sobremesa.

Primeira medalha de ouro
A EHTO, que tem atualmente tem cerca de 250 alunos, já tinha conseguido obter duas medalhas de bronze nestes concursos, uma na área de bar e outra na área de turismo, mas foi a primeira medalha de ouro neste concurso. “Coincide com o 15º aniversário da escola, foi uma enorme alegria e satisfação e um orgulho imenso”, referiu à Gazeta das Caldas o diretor da EHTO, Daniel Pinto. “É mais um exemplo da qualidade da formação”, que está também espelhada nos resultados na colocação no mercado de trabalho. “Estimulamos muito os alunos a participar em concursos de inovação e empreendedorismo”, concluiu.
Para celebrar o aniversário vão apresentar 15 histórias de sucesso de antigos alunos deste estabelecimento escolar. ■

Leonor Gaião, em Tallin, com a bandeira portuguesa, no momento da vitória