Um livro por semana «Cartas a Deus» de Philippe Capelle

0
676

Com o subtítulo de «As mais belas orações cristãs» o volume reúne 207 orações com autores diversos desde São João da Cruz, Santa Teresa de Ávila, Teilhard de Chardin, Lutero ou Calvino aos inesperados Shakespeare, Senghor, Beaudelaire, Dante, Verlaine, Rilke, Saint-Exupery, Kierkegaard, Miguel Ângelo ou Dostoiweski.
A oração é tão antiga como a relação do Homem com Deus; já o Evangelho de S. Marcos refere: «Tudo quanto pedirdes, orando, crede que o recebereis». O poeta Mário Cesariny considerava este um dos maiores poemas da Humanidade: «Salve, Rainha, Mãe de Misericórdia, / Vida, doçura, esperança nossa, salve! / A vós suspiramos, gemendo e chorando neste vale de lágrimas. / Eis, pois, advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei. / E, depois deste desterro, nos mostrai Jesus, bendito fruto do vosso ventre. / Ó clemente! Ó piedosa! Ó doce Virgem Maria!».
A mais bela, mais que oração programa de vida, será esta: «Senhor, faz de mim um instrumento da tua paz. / Onde houver ódio que eu leve o amor. / Onde houver ofensa que eu leve o perdão. / Onde houver discórdia que eu leve a união. / Onde houver erro quer eu leve a verdade. / Onde houver a dúvida que eu leve a fé. / Onde houver desespero que eu leve a esperança. / Onde houver trevas que eu leve a luz. / Onde houver tristeza, que eu leve a alegria. / Senhor, que eu não procure tanto consolar quanto ser consolado / ser compreendido quanto ser amado. / Pois é dando que se recebe, / esquecendo-se que se encontra, / perdoando que se é perdoado, / morrendo que se vive para a vida eterna.»
(Editora: Temas e Debates/Círculo de Leitores, Capa: Rochinha Diogo, Tradução: António Maia da Rocha)

José do Carmo Francisco