Espaço Cenas acolheu o lançamento de “Uma serpente entre flores”

0
85
Carmen Palácios, Inês Fouto, Ana Félix e Paula Nobre colaboraram na feitura do segundo livro. Obra de Osvaldo Maggi foi lançada a 15 de maio

Livro de Osvaldo Maggi foi apresentada no “Cenas” no dia da Cidade. Artista argentino faleceu recentemente

Foi apresentado nas Caldas, a 15 de maio, no espaço Cenas Teatro e Companhia, o livro “ Serpente entre as flores – sete contos de transformação” de Osvaldo Maggi. Este artista argentino esteve ligado às Caldas desde 1990, quando dava formação artística, na área das artes circenses, no Atelier Arte e Expressão.
O palhaço e músico marcou muitas pessoas com quem contactou desde essa altura. Nos últimos anos, o artista regressou às Caldas e trabalhado em parceria com a atriz Inês Fouto, a coordenadora do “Cenas”, espaço teatral onde foi lançado o segundo livro deste autor que faleceu em fevereiro, vítima de covid-19.
Osvaldo Maggi era um artista multifacetado, que deixou indicações claras sobre este nova obra onde se reúnem sete contos de sua autoria. “São histórias que podem ser lidas por gente de todas as idades”, disse Inês Fouto, que acompanhou a fase final do seu amigo argentino, que descreve como uma “pessoa alegre que gostava de congregar gente e vontades nas suas realizações”.

“Osvaldo Maggi tinha o alegre dom de juntar pessoas e de congregar vontades nos projetos”

Inês Fouto

“Serpente entre as flores – sete contos de transformação” acabou por contar com um lançamento “entre amigos” e ainda surgiu como forma de homenagear o seu autor. O texto dos contos foi revisto por Ana Félix e os desenhos que os ilustram foram coloridos a aguarela por Paula Nobre.
As duas autoras caldenses já tinham trabalhado com argentino anteriormente e foi com agrado que o reencontraram no espaço “Cenas”. Os contos deste artista “têm um ritmo próprio e falam sobre a transformação de cada um de nós”, asseveram.
Segundo Inês Fouto, Osvaldo Maggi sublinha “a importância dos espaços livres que existem entre as palavras”, ou seja, que recorda que é preciso espaço para reflexão, mesmo na voragem dos dias que correm.
Na sessão de lançamento também marcou presença Carmen Palácios, que foi companheira do argentino durante 18 anos. Veio de propósito de Madrid, onde vive, para o lançamento desta obra. “Ambos tínhamos enorme respeito pela individualidade de cada um”, comentou a artista espanhola, que foi professora de piano clássico e que decidiu dedicar-se às artes circenses e que ainda hoje é palhaça.
Osvaldo Maggi estava a trabalhar com Inês Fouto no “Histórias com Chapéus” que, além de ser um espetáculo, inclui oficinas de criação que a atriz está a dar continuidade e a levar às escolas caldenses do primeiro ciclo. A iniciativa, apoiada pela DGArtes e pela União de Freguesias das Caldas – Nossa Senhora do Pópulo, Coto e S. Gregório, está a ter forte adesão das crianças, a quem não falta imaginação para criar novos chapéus. ■