Futebol | Campeonato de Portugal, Fase de Subidas à 3ª Liga – Série 5

0
29
Januário marcou pelo segundo jogo consecutivo e “deu” os 3 pontos ao pelicano numa partida repartida

Caldenses adiantaram-se de grande penalidade numa fase do jogo em que o Castelo Branco estava melhor e reagiram bem ao empate sofrido à beira do intervalo, com uma segunda parte competente

O Caldas estava obrigado a ganhar se queria manter-se vivo nas contas do apuramento para a Liga 3 e cumpriu perante um Benfica e Castelo Branco a querer renascer. Foi um jogo de entrega em que a equipa de José Vale não fez tudo bem, mas fez bem o que precisava ter feito e quando foi preciso, colocando-se a um ponto dos dois líderes da série ao encerrar da primeira volta.
Em campo apresentaram-se duas equipas a procurar a primeira vitória nesta fase. Se ao Caldas cabia maior responsabilidade sobre a vitória, por jogar em casa, o Benfica e Castelo Branco não podia ceder mais terreno, depois de falhar a vitória em duas jornadas que disputou na condição de visitado.

“Só vencemos este jogo equilibrando a atitude do nosso adversário, que foi muito forte”

José Vala
(treinador do Caldas)

“Sofremos um golo de penálti e outro de ressalto. Está tudo em aberto”

João Nivea
(treinador do BC Branco)

Os alvinegros começaram um pouco melhor, conseguindo chegar com algum perigo ao último terço de terreno, muito pela ação de André Perre e Januário pela faixa direita. Mas os albicastrenses, a estrear novo comando técnico, foram crescendo com o jogo e causaram algum apuro ao Caldas a seguir. A formação visitante começou a equilibrar os duelos no meio campo, mas ganha a bola tinha mais facilidade em fazê-la chegar à zona de decisão, conseguindo perigo em diversas situações. Numa delas ficaram a pedir grande penalidade, noutra Militão fez um corte exemplar e numa terceira foi Luís Paulo a evitar o golo com a defesa da tarde.
Foi no melhor período do Castelo Branco que o Caldas chegou ao golo. Livre para a área, João Tarzan dividiu com Caio e a bola ficou em Militão, que sofreu um toque bem audível já dentro da área. João Tarzan não desperdiçou e adiantou os donos do terreno. A vantagem parecia que ia durar até ao intervalo, mas foi desfeita na sequência de um canto a fechar o primeiro tempo.
A segunda parte trouxe um Caldas novamente mais preciso no miolo e acutilante do ponto de vista ofensivo. André Perre, Nuno Januário e João Tarzan em bom plano, eles que fabricaram o golo da vitória: Januário cruzou da esquerda, Perre devolveu ao segundo poste para o cabeceamento de Tarzan, a bola ficou prensada na pequena área e Januário, muito bem a acompanhar até à zona de finalização, tocou para a malha.
Vantagem que o Caldas segurou com grande consistência defensiva. ■

A figura

Militão (4)
Acrescentou à voz de comando e firmeza defensiva o protagonismo no lance do penálti.

Luís Paulo (3) Grande defesa com o resultado ainda em branco.
Juvenal (3) Voltou após longa paragem e cumpriu.
Leandro (3) Cumpriu a central, mas fez falta uma casa à frente.
Passos (3) Estável em termos defensivos e ainda subiu.
André Santos (4) Ocupou bem os espaços e ajudou a orientar.
Yordi (3) Entrou com a bandeira do seu país e honrou com boa exibição.
André Perre (4) De volta ao meio campo, deu entrega e profundidade numa boa parelha com Januário.
P. Faustino (3) Foi bom apoio no meio campo e ataque.
Januário (4) Mais um golo a sublinhar o bom momento que atravessa.
João Tarzan (4) Esteve nos dois lances de golo e deu que fazer aos centrais.
Farinha (3) Entrou para desequilibrar, mas também equilibrou.
Simões (2) Ajudou no meio.
R. Isabelinha (2) Quase marcava.
Marcelo Marquês (1) Refrescou a direita.
Gonças (1) Mais dois minutinhos.