Futebol: Primeira derrota na Mata

0
28
Luís Paulo esteve em bom plano, mas não conseguiu evitar a derrota do Caldas, primeira da época na Mata

Pelicano demorou a encontrar ritmo e acabou por sofrer a primeira derrota em casa, no jogo de estreia de João Sousa

As duas semanas de paragem devido ao surto de covid-19 travaram uma fase muito positiva do Caldas, tanto em termos de resultados, como do nível exibicional. A retoma, já se sabia, ia ser difícil e o Cova da Piedade, com um novo timoneiro, bem conhecedor da realidade alvinegra, não vacilou.
Os comandados de João Sousa entraram com ritmo forte em termos de pressão ofensiva e rapidamente tiraram partido dessa falta de ritmo do Caldas. Logo no primeiro lance ganharam um livre frontal, do qual resultou remate ao poste. E o golo não demorou muito. Bola ganha à entrada do terço ofensivo pela direita, passe para o corredor central onde Pedro Pinto faz bem a receção orientada que o deixa em excelente posição para inaugurar o marcador.
Aos poucos, a equipa da casa foi procurando tomar a rédea do jogo, mas o mal estava feito. O Cova da Piedade mostrou-se sempre muito eficaz no plano defensivo e forte no contra-ataque. Mesmo assim, o Caldas esteve, num canto, perto do empate, num lance com remates de Gaio e Leandro detidos à queima. Mais sorte teve o Cova da Piedade, que a terminar o primeiro tempo chegou ao segundo golo.
José Vala apostou tudo na segunda parte, mas o Caldas teve sempre que lateralizar muito o jogo e só criou verdadeiro perigo em lances de Marquês e Perre.
Já o contra-ataque do Cova da Piedade esteve sempre vivo e só não deu mais golos graças a Luís Paulo e Juvenal. ■

A figura

Luís Paulo (3)
Foi buscar duas vezes a bola ao fundo da rede, mas evitou diferença maior com boas intervenções.

Yordi (1) Era difícil render Militão na defesa e notou-se. Subiu na segunda parte, no meio-campo, mas acabou expulso.
André Sousa (2) Talvez por não ter Militão ao lado, ou não, teve mais problemas para controlar o espaço interior.
Gaio (2) Vítima da primeira parte coletivamente má, saiu quando foi preciso mudar algo.
Juvenal (3) Foi dos mais equilibrados em termos defensivos e, na segunda parte, teve um corte crucial.
Leandro Borges (3) Objetivo no passe, deu verticalidade ao jogo. Esteve menos bem no controlo do espaço defensivo.
André Santos (2) Dificuldades para travar o jogo simples do Cova da Piedade.
Clemente (3) Primeira parte abaixo do habitual, mas cresceu na segunda e fez dois centros perigosos.
Farinha (2) Procurou animar o jogo na esquerda, mas encontrou um muro.
André Perre (3) Influente, sobretudo na segunda parte em parelha com Marcelo Marquês. Fez um remate perigoso.
João Tarzan (2) Foi bem anulado pela defensiva do Cova da Piedade.
João Silva (3) Foi perigoso nas bolas paradas e deu profundidade à esquerda.
M. Marquês (3) Trouxe irreverência e esteve perto de fazer “estragos” em boas combinações à direita.
R. Isabelinha (2) Teve bom arranque com remate muito perigoso.
Januário (1) Aposta de tudo por tudo na ponta final.
Vieirinha (1) Pouco tempo para tocar na bola. ■