Seis empresas investem 4 milhões no parque empresarial

0
479

New Oxigen, Create Infor, Laboratório 7, Grupo Oral Plan, Sportino e Grupo Fábrica vão instalar-se no novo espaço até meados do próximo ano

O parque empresarial criado na Avenida Eng. Luís Paiva e Sousa, nas Caldas da Rainha, pensado há mais de uma década pela autarquia, poderá estar a trabalhar em pleno em meados de 2022. As empresas que vão ocupar seis dos oito lotes ali criados já estão definidas e têm projetos de construção aprovados, num investimento privado que poderá rondar os 3,8 a 4 milhões de euros, segundo Hugo Oliveira, vereador da reabilitação urbana no município das Caldas da Rainha. De resto, alguns dos edifícios estão já em início de construção.

130 a 200 novos postos de
trabalho, é a estimativa para
a criação de emprego após
a ocupação de todos os lotes
do novo parque empresarial

As empresas que se vão instalar no novo parque empresarial são, em maioria, de base tecnológica. Tratam-se da NewOxygen, a CreateInfor, a Laboratório 7 e o Grupo Fábrica. O parque empresarial vai ainda receber o Grupo OralPlan, da área da saúde dentária, e a Sportino, conhecida rede de lojas de calçado e roupa desportiva.
A Câmara estima que, quando as empresas estiverem ali a laborar em pleno, o parque possa concentrar cerca de 270 postos de trabalho, dos quais entre 130 e 200 serão emprego novo.
O município considera que a nova infraestrutura empresarial vem melhorar significativamente a oferta de trabalho numa cidade de empresas e serviços, “que carecia de um polo agregador de índole tecnológica” e do qual podem resultar novas oportunidades, refere o vereador.

Serão construídos seis edifícios naquela nova zona da cidade, um para cada uma das empresas que ali se vão estabelecer

A criação de um parque empresarial de base tecnológica naquela zona da cidade vem responder à procura de um novo tecido empresarial por espaços mais próximos dos centros da cidade, realça Hugo Oliveira, contrariando uma lógica de fluxos bi-diários entre a zona industrial e o centro da cidade, ao mesmo tempo que mantém fácil acesso à A8.
O programa de desenvolvimento urbano da cidade que prevê a construção de uma nova ponte pedonal sobre a linha do caminho de ferro, de acesso à Avenida 1º de Maio, o que constituirá um eixo de ligação privilegiada com o centro da cidade.
Além do fácil acesso ao centro da cidade, que permite a adoção de hábitos de mobilidade suave, o parque empresarial fica incluído numa zona próxima do novo parque urbano e da ciclovia.
O vereador Hugo Oliveira considera que este novo espaço “responde aos desafios da contemporaneidade, respeitando uma mobilidade sustentável, em respeito por uma localização que permite aos trabalhadores deslocarem-se a pé, ou de bicicleta, entre o seu local de residência e o local de trabalho, com a mais valia de estar apenas a 10 minutos do centro da cidade”, o que criará “maior circulação e oportunidade para o comércio da cidade”.
De resto, o autarca acrescenta que o sucesso deste novo parque empresarial poderá levar à reflexão “sobre eventuais espaços semelhantes noutros locais da cidade”. ■