O Natal das Caldas teve preocupações ambientais

0
277
Segundo a ACCCRO, a utilização de tecnologia LED permite uma poupança a rondar os 80%

No total dos 55 dias, a iluminação de Natal de 7 quilómetros de ruas das Caldas representou um gasto energético de 18,3 mega watt

A animação de Natal nas Caldas da Rainha durou um total de 55 dias e, segundo os 18 contadores espalhados pela cidade, a iluminação de um total de 7 quilómetros de ruas, 12 rotundas e edifícios representou um gasto energético de 18,3 mega watt.
Este ano registou-se “uma poupança de 14 mega watt face às tradicionais lâmpadas incandescentes, que corresponde a uma poupança de 80%”, refere a Direção da ACCCRO (Associação Empresarial das Caldas da Rainha e Oeste), em resposta a perguntas da Gazeta das Caldas.
O primeiro ano em que se utilizaram lâmpadas LED na iluminação de Natal das Caldas foi em 2014. Naquele ano, a associação empresarial optou por começar a trabalhar com uma empresa de Guimarães, a Bernardino Castro Serviços Festivos Lda, o que permitiu, então, uma poupança de 40% na “fatura” energética, iluminando, assim, mais ruas da cidade com menos dinheiro.
Sete anos volvidos, aquela foi, precisamente, a empresa que foi responsável pela iluminação de Natal nas Caldas.
A ACCCRO explica que uma das razões para escolher esta empresa foi, entre outras, que a Bernardino Castro Serviços Festivos Lda “prima pelos princípios de poupança e sustentabilidade do território nos projetos que executa, princípios esses em que também nos revemos”.
Além das lâmpadas LED, este ano, em peças como as bolas gigantes e pinheiros colocadas como adorno na rua, “foram utilizadas cerca de 18.750 garrafas de plástico (um número obtido através do cálculo de uma média de 75 garrafas plástico para cada um dos 250 elementos colocados). Acresce que estes elementos decorativos poderão vir a ser utilizados nos próximos anos.

Plantar árvores pela energia
Este ano a ACCCRO criou também um projeto para alertar e sensibilizar para as questões ambientais e ecológicas: a plantação de árvores pela energia gasta na iluminação. Assim, a associação liderada por Luís Gomes doou 25 árvores por cada Mega Watt consumido com a iluminação de Natal. Foram, assim, distribuídas no total 500 árvores pelas 12 Juntas de Freguesia do concelho caldense, para serem plantadas em locais a definir pelas próprias autarquias de base.
“Com esta iniciativa, a ACCCRO pretende deixar o seu apontamento para esta causa e apontar para a sensibilização a uma escala mais global”, refere a direção da associação, acrescentando ainda que, “quer seja num cenário mais pessoal ou mais industrial, todos somos responsáveis pela diminuição da pegada ecológica do planeta, adaptando o estilo de vida pessoal ou profissional neste sentido”.
O orçamento para o programa “Caldas, Rainha do Natal” de 2021, que foi financiado pela Câmara e por patrocinadores privados, foi o maior de sempre, atingindo um valor total de 210 mil euros (dos quais 141 mil financiados pela autarquia). Desse valor, cerca de 108 mil euros foram dedicados apenas à iluminação, aos quais acresceram ainda mais 14 mil euros para levar a iluminação às freguesias do concelho, sendo que, no caso das freguesias, “é a autarquia que adjudica a iluminação diretamente ao fornecedor e gere toda as questões envolventes com base no orçamento interno”, esclareceu a ACCCRO.
Além de tudo isto, na programação de Natal das Caldas há, anualmente, um concurso de árvores de Natal das escolas, que promove também a utilização de materiais reciclados e que pretende educar e sensibilizar os mais novos para temáticas como a sustentabiliade e a reciclagem. ■