CHO assinala aumento da atividade assistencial

0
255

Entidade revela números do primeiro semestre do ano, que comparam com o período homólogo do ano de 2020, quando a pandemia começou

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) anunciou que, no que diz respeito à atividade assistencial, se registou um “aumento no número de consultas e de cirurgias realizadas” até ao final de junho deste ano, assim como uma redução “do número de doentes em lista de espera comparado com igual período do ano anterior”. No primeiro semestre de 2021, foram realizadas 3.081 cirurgias no CHO, mais 470 (subida de 18%) do que em igual período do ano anterior.
Segundo aquela entidade, de acordo com os dados apurados mantém-se a tendência na redução da lista de espera para cirurgia: atualmente estão menos 282 doentes a aguardar por cirurgia do que em 2020, e menos 752 quando comparado com junho de 2019. Sendo presentemente o tempo médio de espera para cirurgia de menos 71 dias do que no ano anterior.
Também o número de consultas externas regista um aumento significativo. Até 30 de junho de 2021 realizaram-se 80.068 consultas nas Unidades Hospitalares que constituem o Centro Hospitalar do Oeste, mais 17.084 (27,1%) do que em período homólogo.
Deste modo, o número de doentes em lista de espera para consulta tem vindo a diminuir de forma consistente desde 2019. Atualmente existem menos 3.234 (redução de 24,5%) doentes a aguardar por consulta do que em igual período no ano transato, “e menos 7.847 se compararmos com junho de 2019”, frisa o CHO.
Registou-se, ainda, uma redução da demora média no Internamento em 0,3 dias, o que significa que no primeiro semestre do ano passado um doente esteve em média internado 7,8 dias, sendo que atualmente está 7,5 dias.

CHO acertou
dois protocolos
com o Centro Hospitalar Psiquiátrico
de Lisboa

Estes “resultados positivos” evidenciam o “profissionalismo, o empenho e a dedicação dos profissionais” do CHO, determinantes para o aumento da atividade assistencial e para a redução das listas de espera para consultas e cirurgias, mesmo em tempos pandémicos.
Entretanto, o Centro Hospitalar do Oeste estabeleceu dois protocolos de cooperação com o Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa (CHPL), que visam “facilitar e agilizar o acesso dos utentes às consultas médicas e exames complementares de diagnóstico e terapêutica no âmbito da psiquiatria e saúde mental”.
Nos últimos anos, devido à ausência da valência de psiquiatria na Unidade de Torres Vedras, a prestação de cuidados de saúde mental em internamento e em ambulatório à população da área geográfica desta unidade hospitalar tem vindo a ser assegurada pelo CHPL, através do Núcleo de Intervenção Comunitária de Torres Vedras. Com a alteração do estatuto jurídico do CHO, em 2018, e a contratação de um maior número de médicos psiquiatras, foi possível “implementar um novo modelo de funcionamento, mais eficiente, complementar e integrado”.
Neste sentido, está a decorrer a transferência progressiva da prestação de cuidados de psiquiatria e de saúde mental que tem vindo a ser assegurada pelo CHPL para o CHO, abrangendo, nomeadamente, a população dos concelhos de Torres Vedras, Cadaval e Lourinhã.
Para além deste protocolo, foi também firmado um acordo que permite aos utentes do Núcleo de Intervenção Comunitária de Torres Vedras do CHPL a realização de exames complementares de diagnóstico e terapêutica das especialidades de Patologia Clínica, Imagiologia e Cardiologia na Unidade de Torres Vedras do Centro Hospitalar do Oeste. ■