Fábio Oliveira promove doçaria local

0
559

O novo Ambrósio da Ferrero Rocher esteve nas Caldas a 7 de janeiro, a promover (e a provar) trouxas, cavacas e beijinhos. Depois dos doces, o caldense continuará a promover o comércio local.

E foi, ainda, provar as famosas trouxas de ovos à pastelaria Machado

Fábio Oliveira, o novo motorista da conhecida marca de chocolate Ferrero Rocher, passeou pela cidade natal, a 7 de janeiro, onde provou “cavacas, trouxas e beijinhos”, contou o caldense.
O guia turístico começou pelas cavacas, que adquiriu na Baía local, onde guarda “memórias” de ir com a avó, disse à Gazeta das Caldas. O novo Ambrósio não esqueceu a veia profissional e, após ter provado o primeiro doce, decidiu fazer pequenos vídeos, que serão colocados nas redes sociais, procurando, desse modo, dar a conhecer um pouco da história do Hospital Termal e do Parque D. Carlos I.
Antes de chegar à Pastelaria Machado, apresentou a Rota Bordaliana, que tem vários exemplares (à escala humana) espalhados pela cidade. Na mais antiga pastelaria das Caldas, provou uma trouxa de ovos e contactou com o certificado que dá pergaminhos à casa no que diz respeito às trouxas locais.

No périplo pelas Caldas da Rainha, ainda teve tempo para ir à Bombondrice para conhecer melhor os seus bombons

No seu périplo, o novo motorista da Ferrero Rocher, passou pela pastelaria Belmonte onde provou os beijinhos e os suspiros. De seguida, foi ao Pingo de Mel para provar miniaturas de amêndoa, assim como bombons da Bombondrice. E teve a oportunidade de conhecer o espaço que se dedica ao fabrico artesanal de chocolate.
“É uma ótima iniciativa que está a ter grande recetividade! Já fui convidado para fazer o mesmo nas pastelarias de Alcobaça”, contou Fábio Oliveira, que até fez um trabalho sobre doçaria conventual, a nível nacional, nos tempos da universidade.
Também Filipa Estevão, que representa a “Senhora” do anúncio publicitário, fez o mesmo trabalho de promoção da doçaria da sua terra local, tendo percorrido as pastelarias da baixa de Coimbra.
A ideia de destacar o comércio local surgiu durante o concurso e, como tal, assim que acabou a campanha de Natal da Ferrero, ambos arregaçaram as mangas e decidiram promover as localidades de origem.
O caldense fez vídeos a promover todos os espaços e os doces da cidade, complementando com informações sobre a cidade e que foram enviadas para responsáveis da marca. Em breve vão circular pelas redes sociais.
O caldense tenciona voltar às Caldas para visitar as pastelarias que não conseguiu no dia 7. Durante a sua visita, Fábio Oliveira foi reconhecido por uma família na rua e também numa das lojas da sua cidade natal.
O caldense – que tem estado a participar em castings para outros trabalhos de publicidade – pretende continuar a promover o comércio local da sua terra. Seguem-se as lojas de cerâmica sem esquecer as que se dedicam à loiça tradicional. ■

 

Alunos do CEERDL dão a conhecer o novo Ambrósio

Alunos do curso de Operador de Jardinagem do CEERDL entrevistaram o caldense Fábio Oliveira na disciplina de Linguagem e Comunicação, numa iniciativa do centro em parceria com a Gazeta.

Como começou esta aventura?

Começou com uma brincadeira com uma colega minha, guia intérprete com quem estava numa esplanada, na Graça, em Lisboa, Soubemos por colegas do concurso das novas caras para o Ambrósio e a Senhora da Ferrero e decidimos logo tirar fotos um ao outro e gravámos o vídeo que o concurso exigia. Enviámos depois, em jeito de brincadeira. Fui contactado pela Ferrero passado algum tempo e foi quando fiquei a saber que tinha de ir à televisão! Na altura quando concorri, não tinha lido a letras pequeninas.

Ao longo do processo, os nervos foram aumentando?
É uma boa pergunta, pois estou habituado a falar para grupos grandes, devido à minha profissão de guia de turismo, mas até então não tinha ido à televisão. Nas primeiras vezes estava muito nervoso e acalmei os nervos, controlando a minha respiração. Depois como já conhecia a equipa e o próprio [Manuel Luís]Goucha, fiquei tranquilo, porque sempre me trataram muito bem.

Tinha algum truque na manga que o tivesse ajudado nos desafios propostos?
Não, porque não fui preparado com nada. O único truque que usei foi, no primeiro dia, quando contei uma história de infância com a minha avó. Uma história de família num momento de Natal podia sensibilizar e homenagear as minhas avós, neste momento de pandemia, em que não posso estar com elas.

Sendo que quase todos os desafios apresentados foram com a mesma “Senhora”, a vencedora, terão sido eles um presságio?
(Risos) Foi tudo uma coincidência, porque o sorteio dos desafios foi à sorte, ao acaso, quando o Manuel Luís ao tirar os envelopes nos “casou” sem querer. Nós até brincávamos que éramos os três “F” de Fábio, Filipa e Ferrero. A verdade é que correu tão bem que o público deixou de nos ver como concorrentes individuais e passou a ver-nos como casal vencedor. Foi, sim, um bom presságio.

Como se sentiu ao saber que era o novo Ambrósio de Portugal?
Ainda não senti muito bem, embora esteja feliz e orgulhoso pois foram as pessoas que me escolheram e foram muitas as que votaram. O facto de gostarem da nossa cara só porque nos viram e nos ouviram falar por uns segundos, na televisão, é bom. E, claro, pela experiência.

Haverá na representação, de Ambrósio, algum toque pessoal?
Não, por muito que eu quisesse, nem pude sorrir durante as fotografias… A marca, com as diretrizes vindas de Itália, decidiu tudo quanto à minha apresentação.

Esta participação no anúncio da Ferrero Rocher pode trazer-lhe algum reconhecimento? Sente-se preparado para fama?
Não me sinto preparado… Eu não queria ser famoso, procurava só ganhar um dinheirinho extra. Só que já percebi que isso foge do meu alcance, pois o meu nome apareceu na televisão e muitos foram os que saltaram para as redes sociais. Recebi muitas mensagens, muitas boas, mas, infelizmente, também más. Não estou a dar muita importância às más, claro, pois não quero alimentar discussões. Há ainda coisas boas a retirar deste reconhecimento. Já fui abordado por várias agências de publicidade e já fiz alguns castings. ■

Nesse dia, o caldense da Ferrero Rocher foi entrevistado por um grupo de alunos do CEERDL, uma iniciatiava coordenado pela professora Carla Sousa