Num ano atípico para o ensino, com o regresso dos alunos às escolas depois de vários meses em ensino à distância, os transportes escolares também têm que ser ajustados. Embora ainda não esteja definido, a vereadora da Educação caldense, Maria João Domingos, prevê que tenham que ser reforçados os horários dos autocarros à hora de almoço

Os horários das escolas ainda estão a ser aferidos mas terão que ser reforçados os transportes à hora de almoço, provavelmente com 10 horários, para dar resposta aos alunos do 2º e 3º ciclos e secundário, que frequentam as escolas do concelho. De acordo com a vereadora da Educação, para dar resposta aos alunos que só têm aulas de manhã e regressam ao almoço para as suas casas, e aos que, por sua vez, só vão para a escola à tarde, terão que ser reforçadas linhas de transporte público, num total de mais de 700 quilómetros por dia. Com esta medida aumentará a oferta à hora de almoço também para a população, que utiliza os autocarros.
A autarca explicou à Gazeta das Caldas que a entidade transportadora (Rodoviária do Oeste), a Comunidade Intermunicipal do Oeste (que detém as competências de definição da rede de transportes escolares), e o município estão a efectivar os procedimentos necessários à operacionalização dos transportes escolares para o próximo ano lectivo, de acordo com as novas normas de segurança.
De resto, foram solicitados passes escolares por 628 alunos destes níveis de ensino no concelho das Caldas da Rainha.
No caso dos alunos do 1º Ciclo e pré-escolar o transporte é contratualizado pela autarquia, as IPSS e Juntas de Freguesia. De acordo com a vereadora, o cumprimento das directivas legais vai implicar a realização de maior número de quilómetros, em face da diminuição do número de crianças a transportar a cada viagem, “sendo espectável um significativo acréscimo ao do valor de anos anteriores, e que não está ainda quantificado”. Diariamente são transportadas cerca de 475 crianças.
A autarquia tem também contratualizado transporte para a deslocalização das actividades lectivas, com deslocações dos alunos para espaços desportivos, para a concretização das actividades físicas de Enriquecimento Curricular. Cerca de 709 crianças são semanalmente transportadas para as várias iniciativas e acções pedagógicas. Contudo, “nesta vertente não são previsíveis aumentos aos investimentos considerados”, explica a autarca, especificando que estes transportes foram alvo de procedimento de contratação pública, tendo sido contratualizados por 259.690 euros para este ano lectivo.
Os jovens que frequentam o ensino superior e que se deslocam das Caldas da Rainha para Lisboa podem beneficiar, desde Janeiro deste ano, de um passe combinado que inclui serviços Carris e Metro (coroa L na Área Metropolitana de Lisboa), no âmbito do Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART). O município caldense e a OesteCIM investem uma verba própria que permite reduzir o custo de cada um desses passes em 109,5 euros, ficando a 80 euros para o utilizador. O apoio do PART aplica-se ainda a todos os tipos de passes de linha municipais, intermunicipais e inter-regionais. O valor dos passes municipais dentro deste território é de 30 euros e de 40 euros euros os passes relativos a deslocação entre concelhos dentro desta comunidade.
Maria João Domingos realça, ainda, que as medidas de segurança necessárias por causa da covid estão a ser cumpridas, com a desinfecção das viaturas e disponibilização de soluções alcoólicas à entrada, redefinição da capacidade máxima de utilização considerando a redução de um terço dos lugares das viaturas. É obrigatória a utilização de máscara no interior das viaturas por crianças com mais de 10 anos e adultos.