Betacam levou dezenas de pessoas ao Centro de Artes

0
118
Mostra de vídeo realizou-se na noite de quinta-feira, dia de São Martinho

Mostra de vídeo Betacam decorreu na noite de 11 de novembro no Centro de Artes

Dezenas de pessoas, na maioria jovens e estudantes da ESAD, deslocaram-se ao Centro de Artes na noite da passada quinta-feira, 11 de novembro, para assistir à mostra de vídeo Betacam.
Esta foi uma iniciativa organizada pelo Grémio Caldense de Cultura e Recreio, em parceria com a ESAD, o Centro de Artes e a Câmara das Caldas.
A mostra de vídeo decorreu no Atelier 6 e no Espaço da Concas e contou com a presença de vários artistas de diferentes pontos do país, todos eles com ligação às Caldas, por terem estudado na Escola de Artes e Design das Caldas.
“As pessoas guardam boas memórias dos tempos da universidade e, quando são convidadas, querem sempre voltar”, explicou Patrícia Faustino, que tem vindo a desenvolver vários eventos de arte contemporânea nas Caldas nos últimos anos e que organizou o Betacam.
Teresa França apresentou “An Ode”, Jéssica P. Gaspar mostrou “Transorganism” e Joana Schurr “Cloudstheory: Venus as a Sphere”. Já Maria Bernardina deu a conhecer “Espia”, Micael Ferreira tinha uma obra sem título e o caldense Tiago Rocha trouxe “As botas que o diabo amassou”.
À Gazeta das Caldas, Patrícia Faustino fez um balanço positivo desta iniciativa. “Foi uma noite muito bonita e felizmente tivemos bastante público, com o Centro de Artes cheio”, referiu.
Aproveitando que o evento coincidia com o São Martinho e com o facto de existir, além deste evento, a inauguração da exposição de desenho “Visita”, de Jorge Leal, no Museu António Duarte, o diretor do Centro de Artes, Pedro Antunes, decidiu que se deveria fazer uma fogueira para assar castanhas e assim foi, numa agradável e tradicional noite de convívio.
Em simultâneo com o Betacam, decorria no Céu de Vidro e nas Salas Cinzentas o “Germinação”, um evento organizado pelo Grémio Caldense de Cultura e Recreio, que durante três dias levou música e instalações artísticas àquele espaço, mas que também fica marcado pelo lançamento do primeiro número do Jornal “If it walks like a duck and it talks like a duck, it’s a duck”.
“Como nos conhecemos, eles decidiram abriram mais cedo, para mostrar a instalação que estava no Céu de Vidro e nas Salas Cinzentas e, depois, fechavam as portas para virem ao Betacam no Centro de Artes. No final do Betacam, voltámos todos para as Salas Cinzentas para o Germinação”, contou Patrícia Faustino, elogiando o que classificou de “diálogo interessante” entre quem faz acontecer os eventos na cidade.
Para o futuro está prevista a organização de novos eventos e também a criação de colaborações com outras associações da cidade termal. ■