Caldas assume-se como a capital cultural do Oeste

0
268
Concelho das Caldas tem praticamente um terço do total das obras expostas no conjunto dos 12 municípios oestinos

Concelho caldense responsável por cerca de 30% das 8792 obras de arte expostas nos 12 municí­pios da região

Em 2023 foram expostas 8792 obras de arte nas galerias e outros espaços de exposições da região Oeste. Os dados são do Instituto Nacional de Estatística e resultam de inquérito às galerias de arte e outros espaços de exposições temporárias.
O conjunto dos 12 concelhos viu, no último ano, crescer o número de obras de arte expostas, que em 2022 havia sido de 7475. Os dados, disponibilizados nos últimos três anos demonstram uma tendência de crescimento, com 5376 em 2021.
Caldas da Rainha é, neste ranking, o município em grande destaque, com um total de 2703 obras expostas nas galerias caldenses no último ano. Tal representa um total de quase um terço (acima dos 30%, para sermos mais precisos) do total da região. O município das Caldas tem vindo a aumentar o número de obras expostas, com 1703 em 2021 (ou seja, um aumento de mil em dois anos).
O segundo concelho com maior número de obras expostas é o da Nazaré, com 1961 (cerca de 22%), que era no último ano o lí­der do ranking. Segue-se Torres Vedras, com 1411.
No final da tabela encontramos o Sobral de Monte Agraço e Alenquer, com 29 e 31 obras apresentadas, respetivamente. Nota que o Bombarral não tem dados registados.
Alcobaça aparece com 124, Arruda dos Vinhos com 140 e o Cadaval com 257. Lourinhã surge de seguida com 695, com Peniche (709) e Óbidos (732) a completar a lista.
Quando comparados com os resultados de 2022 é possível perceber que houve seis concelhos em que o número de obras de arte apresentadas desceu. São eles os municí­pios de Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Nazaré, Óbidos e Sobral de Monte Agraço.
Caldas, Cadaval, Lourinhã, Peniche e Torres Vedras apresentaram aumentos.
Também ao ní­vel do número de exposições apresentadas, Caldas destaca-se com 43 das 144 realizadas em toda a região no último ano (um valor exatamente igual ao do ano anterior, que tinha sido de subida face às 91 de 2021). Segue-se Torres Vedras, com menos de metade (21) e o Cadaval (com 17). Peniche (14), Lourinhã (12) e Óbidos (10) aparecem de seguida no ranking que é encerrado pelos concelhos de Alenquer (3), Alcobaça (4), Arruda dos Vinhos (5), Nazaré (7) e Sobral de Monte Agraço (8) encerram a tabela.
Os dados do INE permitem também perceber que houve um aumento no número de espaços de exposições temporárias e galerias na região. Das 34 em 2022, subiu-se para as 36 em 2023. Nos últimos dois anos houve um grande crescimento, dado que em 2021 eram apenas 25 espaços registados.
Em relação a 2022, encontramos os concelhos das Caldas e de Torres Vedras a apresentarem um espaço expositivo a mais do que no ano anterior, com 10 e 4, respetivamente.
O município das Caldas afirma-se, assim, como capital cultural da região Oeste, com mais espaços expositivos, mais exposições e mais obras de arte apresentadas. ■