Excertos em várias localidades compõem Rota da Poesia de Óbidos

0
185
A Escada Poema contempla os 19 excertos de autores lusos

Fragmentos de poemas estão fixados em 19 localidades do concelho e, depois, reunidos, na escadaria das piscinas municipais, criando um outro poema

“Gosto de sentir a natureza e fingir que não lhe pertenço”. O excerto do poema de Armando da Silva Carvalho, colocado no muro da Sociedade Cultural e Recreativa Pinhalense, marca o início da Rota da Poesia, que se estende pelas localidades do concelho, terminando no exterior das piscinas municipais, com José Anjos.
No périplo pelas aldeias de Óbidos é possível encontrar excertos de obras de Herberto Helder, Ruy Belo, Eugénio de Andrade, Maria Alberta Meneres, Chico Buarque, Mário Cesariny, Fernando Pessoa, Sophia de Mello Breyner Andresen e José Saramago, entre outros.

Valorizar o território ligando-o à literatura é o objetivo desta rota

Junto a cada uma das frases está um QR, que dá acesso à totalidade do poema, à biografia e bibliografia do poeta e ao local da rota na qual se insere. Está ainda a ser criado um pequeno filme, que irá identificar os locais por onde passa a rota.
A iniciativa do programa Óbidos +Ativo e Óbidos Jovem, inserida na Óbidos Poetry Sessions, contempla ainda as Escadas Poema, situadas nas piscinas municipais, e que contemplam os 19 fragmentos, criando um outro poema. A escadaria dá acesso ao primeiro andar das piscinas, onde foi criado um espaço de leitura e convívio.
De acordo com a vereadora da Cultura, Margarida Reis, o objetivo passa pela valorização do território e a sua ligação à literatura, tendo em conta a distinção da Unesco para a vila de Óbidos.

“As frases foram escolhidas tendo em conta o território, falando muito do mar, da pedra, antiguidade, de forma a que seja marcante e que traduza o que se passa pelo concelho”, explica, acrescentando que a rota também pretende dar a conhecer outros recantos de Óbidos, cada um com a sua identidade.
O próximo passo será uma intervenção no Parque da Vila, com a criação de um canto de leitura junto a uma árvore, onde as pessoas que fazem os percursos possam alternar a sua leitura, também num espaço de natureza. A sua concretização irá incidir na utilização de produtos naturais e apostando na reciclagem.
Margarida Reis lembra ainda que outras iniciativas que já decorrem têm sido valorizadas com a temática da literatura, como é o caso das caminhadas literárias, durante o Folio, e as caminhadas do amigo especial, que acabam sempre com a leitura de um poema ou de uma citação.