Frubaça é a maior cooperativa do Oeste e entrou no top 20 do país

0
284

Região tem nove nas 100 maiores entidades da economia social do país

A Frubaça tornou-se a maior cooperativa do Oeste, segundo o estudo “As 100 Maiores Cooperativas 2022”, publicada pela Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES). A região tem nove cooperativas no top 100, menos duas do que na edição publicada no ano passado.
A Frubaça, Cooperativa de HortoFruticultores, tem sede em Alcobaça, dedica à produção, transformação e comércio de frutas, sendo ainda conhecida pela marca Copa, com as suas lojas em casas de madeira que são imagem de marca, assim como os sumos de fruta naturais, além de uma vasta carta de produtos feitos em maioria com base na Maçã de Alcobaça IGP. Em 2022 gerou um volume de negócios de 29,65 milhões de euros, o que a tornou a 19º maior do país. Garantiu emprego a 278 pessoas, a maioria mulheres (61,2%) e com uma base de emprego jovem de 12,9%, o quarto maior na lista das 100 maiores. É a sexta maior empregadora das 100 maiores cooperativas do país e a que mais emprega nas do Oeste que entram neste grupo.
A cooperativa alcobacense é a única do Oeste nas 20 maiores e destronou a Cooperativa Agrícola dos Fruticultores do Cadaval como a maior do Oeste. A cooperativa do Cadaval, que viu o volume de negócios cair mais de 5 milhões de euros entre 2021 e 2022, para 19,7 milhões de euros, desceu ao terceiro lugar na região, atrás ainda da Cooperativa Agrícola dos Criadores de Gado da Benedita, que faturou 22 milhões de euros.
As três têm em comum serem cooperativas agrícolas e esse fator é compartilhado com as nove cooperativas que o Oeste coloca nas 100 maiores do país. O setor também domina a lista, com 79 das 100 entidades.
Alcobaça é o concelho com mais cooperativas na lista, três no total. Às duas já enumeradas, junta-se a Cooperfrutas (69ª). O Cadaval tem duas. Além da já apontada, está a estação fruteira Frutus (44ª).
Os restantes concelhos representados são a Lourinhã, pela Louricoop (57ª), Caldas da Rainha pela Frutalvor (67ª) e o Bombarral pela Cooperativa Agrícola do concelho (76ª).
As nove cooperativas do Oeste na lista das 100 maiores do país totalizam um volume de negócios de 145 milhões de euros, mais 4 milhões de euros do que as 11 da edição de 2021 e deram emprego a 921 pessoas, cerca de 100 postos de trabalho.
A maior do país é a Coopofar, uma cooperativa farmacêutica com sede no Porto, que faturou em 2022 perto de 340 milhões de euros. O grupo das maiores do país representa 3,28 mil milhões de euros em vendas, um crescimento de cerca de 20% em relação ao estudo anterior, e asseguraram 8684 postos de trabalho, mais 11%.
O estudo que Eduardo Cardoso e Edna Neves realizam para a CASES apresenta ainda as cinco maiores cooperativas de cada setor, mesmo que não figurem todas nas 100 maiores. Neste particular, há três cooperativas da região que se destacam. A começar no Instituto Nossa Senhora da Encarnação, Cooperativa de Ensino e Cultura, que é responsável pela gestão do Externato Cooperativo da Benedita. Esta é a maior cooperativa do país no ramo da cultura, com um volume de negócios superior a 2,5 milhões de euros e empregando 109 trabalhadores. É também a terceira do país neste ramo que mais consegue captar subsídios à exploração, 793 mil euros, apenas atrás da Companhia de Teatro de Almada e do Ballet Teatro Contemporâneo do Porto.
No ramo habitação e construção, surge em quarto lugar a CUPH Travessa da Ponta, uma cooperativa de habitação que tem sede em Salir do Porto, Caldas da Rainha, com um volume de negócios de 570 mil euros. Também caldense, o Centro de Educação Especial Rainha D. Leonor, com 104 colaboradores e um volume de negócios de 2,6 milhões de euros é igualmente a quarta maior do país.
O estudo apresenta ainda as 20 maiores cooperativas de crédito, nas quais estão representadas duas Caixas de Crédito Agrícola Mútuo da região, nomeadamente a de Alcobaça, Cartaxo, Nazaré, Rio Maior e Santarém, com um ativo líquido de 524 milhões de euros, e a das Caldas da Rainha, Óbidos e Peniche, com 446 milhões de euros de ativo líquido. ■