Alunos da Escola Básica do Campo aprenderam a preparar chouriços

0
805
Crianças executaram as várias fases de preparação dos chouriços

Atividade foi desenvolvida pelos alunos do 1º e 2º anos daquele estabelecimento de ensino

Motivados pela professora Zélia Marques, os alunos do 1.° e 2.° anos da Escola Básica do Campo, do Agrupamento de Escolas D. João II, das Caldas da Rainha, levaram a efeito uma atividade pedagógica bem diferente do habitual: preparar chouriços numa sala de aula e procurando cruzar os ensinamentos que recebem em várias disciplinas.

Professora Zélia Marques exibe, orgulhosa, o resultado final do trabalho desenvolvido pelos alunos

A professora levou a carne e cada aluno levou uma tábua e um avental e cortaram a carne em pedaços pequenos. Após temperada, a carne ficou em repouso e no dia seguinte os alunos mediram e cortaram a tripa, utilizando a… régua, dado que estão a aprender as medidas de comprimento em Matemática. Seguiu-se o enchimento dos chouriços, que depois de prontos, foram colocados num fumeiro e, na semana seguinte, entregues às respetivas famílias dos alunos.
Para Zélia Marques, são “estas experiências, este tipo de ensino, onde a prática e a teoria se junta, que tornam as aprendizagens significativas”. A docente salienta que escola e família “têm de andar de mãos dadas, para o sucesso do aluno”, pelo que fez sentido envolver os familiares no processo.

Iniciativa visa envolvimento dos alunos em atividades pedagógicas e que cruzem disciplinas

De resto, para além desta atividade, os alunos desenvolveram outras iniciativas, como o projeto “O nosso corpo, e a importância do exercício físico”, onde dois encarregados de educação foram convidados a darem uma aula de karaté e krav maga.
Com a pandemia, a professora optou por dinamizar atividades mais seguras para evitar a propagação do vírus. É no seguimento desta preocupação que foram desenvolvidos projetos como a confeção de um lanche saudável, no Dia da Alimentação, com doce de abóbora e marmelada.
Para Zélia Marques, este tipo de iniciativas melhora o aproveitamento do aluno, visto que o torna ativo na atividade.

Iniciativa foi muito motivante para os jovens dos 1º e 2º anos da EB Campo

“O aluno tem de ser visto como um ser pensante, ativo e não um mero recetáculo passivo que absorve os ensinamentos do professor. É isso que incentivo na sala de aula: que os alunos pesquisem, elaborem trabalhos de grupo, apresentem à turma, que opinem, que aceitem opiniões, que desenvolvam a autoestima, a capacidade de comunicar e se expor perante os outros, que façam, que mexam, que explorem e que cheguem a conclusões”, frisa a docente, que não esquece o currículo e a articulação de disciplinas “que incentivam o aprender e conduzem a um melhor aproveitamento escolar.” ■