Os eleitos nas Caldas nas últimas autárquicas de 2017

Nas Caldas, o PS já tornou público o candidato às próximas autárquicas, mas é excepção à regra. Os restantes partidos ainda não definiram candidatos e adiam a decisão para finais do ano, início do próximo. Já o presidente da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e S. Gregório, não se irá recandidatar aquela autarquia de base, podendo eventualmente integrar a lista do actual presidente da Câmara, Tinta Ferreira

As eleições autárquicas irão decorrer em Setembro/Outubro do próximo ano e, ainda que os partidos políticos remetam para mais tarde as apresentações dos candidatos, começam as movimentações partidárias.
Nas Caldas é quase certo que o social-democrata Tinta Ferreira irá recandidatar-se a um terceiro mandato. À Gazeta das Caldas o actual presidente da Câmara disse que “é prematuro discutir política partidária e que o objectivo é estarmos unidos nesta altura de combate à covid-19”. Contudo, reconheceu que, “se fosse hoje, estaria disponível”.
O presidente da União de Freguesias de Nossa Sra do Pópulo Coto e S. Gregório, Vitor Marques, decidiu que não se irá recandidatar aquela autarquia de base. Tinta Ferreira questionado pela Gazeta das Caldas se Vitor Marques poderá vir a integrar a sua lista, respondeu: “é uma possibilidade para o executivo, mas é algo que terei que avaliar na altura própria”. Contudo aquele, segundo as nossas fontes, não aceitará o 4º lugar que lhe pretendem oferecer.
Também Hugo Oliveira, presidente da concelhia caldense do PSD, diz que é muito cedo para decisões. De acordo com o vereador e deputado na Assembleia da República, o partido a nível nacional vai discutir esta matéria no primeiro trimestre do próximo ano. A estrutura nacional já decidiu, contudo, apoiar os presidentes da Câmara que se queiram recandidatar, e que não tenham atingido o limite de mandatos. “Se for essa a vontade do presidente da Câmara, tem também o meu apoio para esse efeito”, disse.
Hugo Oliveira foi o segundo da lista de Tinta Ferreira nas últimas autárquicas. Deixou o cargo de vice-presidente da autarquia quando foi eleito deputado, mantendo o lugar de vereador. Considera que o contributo de “ser autarca e deputado é poder ter um conhecimento amplo de muitas matérias que ajudam naquilo que é a acção que se tem que ter”, destacando ainda que continua disponível para ajudar as Caldas do ponto de vista autárquico.

“PROCESSO TOTALMENTE EM ABERTO”

No caso do PCP, a preparação das candidaturas às próximas autárquicas nas Caldas, e no distrito de Leiria, está articulada com o congresso nacional, que irá decorrer em Novembro, em Loures. “Antes dessa altura dificilmente apresentaremos as nossas listas de candidatos”, explicou Ângelo Alves, da Comissão Política do Comité Central do PCP, ressalvando que a “reflexão interna” já começou e está decidido que irão apresentar listas à Câmara, Assembleia e às mesmas freguesias de há quatro anos.
Em breve, a comissão concelhia das Caldas do PCP irá publicamente prestar contas aos eleitores, com a distribuição de um documento e divulgação também através das redes sociais. “Vamos fazer um balanço do trabalho feito, apresentá-lo à população, e identificar um conjunto de grandes questões que se levantam e pelas quais nos vamos bater na próxima campanha eleitoral”, explicou.
Outro objectivo é o “início da construção da rede CDU”, ou seja, o contacto com pessoas do concelho para identificar problemas e começar a preparar as listas, que envolvem não só militantes do PCP, como também independentes e elementos do Partido Ecologista “Os Verdes”.
O Bloco de Esquerda ainda não escolheu o candidato à Câmara das Caldas para as eleições autárquicas de 2021. “O processo está totalmente em aberto”, refere Arnaldo Sarroeira, da coordenadora concelhia do BE caldense, acrescentando que o partido “submeterá o seu programa às cidadãs e cidadãos caldenses, como é sua obrigação política”.
Também o CDS caldense ainda não escolheu o seu candidato. João Forsado Gonçalves, actual líder da concelhia caldense, remete essa decisão para a próxima comissão política, a ser eleita ainda durante o mês de Julho. Questionado pela Gazeta das Caldas se confirma se este partido apresentará um candidato à Câmara nas próximas eleições autárquicas, o dirigente centrista referiu que “nada indica que tal não venha a acontecer”, remetendo as decisões para a próxima comissão política concelhia.