“A dislexia não tem cura, mas as dificuldades que causa podem ser minimizadas”

0
705

1-DianaPublicoO que têm em comum Picasso, Agatha Christie, Steven Spielberg e Walt Disney? Uma doença chamada dislexia. E no entanto, em cada uma das suas áreas, foram e são génios. Para falar sobre esta e outras perturbações na aprendizagem esteve nas Caldas, a 19 de Março, Diana Tereso Coelho, autora do livro “Dificuldades de aprendizagem específicas, Dislexia, Disgrafia, Disortografia e Discalculia” que deixou uma mensagem de esperança a quem sofre destas perturbações. Não têm cura, mas há estratégias para minimizar as dificuldades que criam.

A primeira dificuldade para os pais quando confrontados com a dislexia é que esta é uma doença “que não desaparece” e que o que há a fazer é “arranjar estratégias para ajudar a ultrapassar as principais dificuldades”, disse Diana Tereso Coelho contando à Gazeta das Caldas que Tom Cruise é, por exemplo, um disléxico que pede para gravar as suas falas dos filmes e depois ouve-as para as poder decorar. Desta forma conseguiu encontrar a sua própria estratégia para suprir a sua dificuldade. E enquanto a Dislexia é uma perturbação na aprendizagem da leitura, a Disgrafia afecta a qualidade da escrita que normalmente “mal se percebe e é muito desorganizada”, disse a oradora. Por seu lado, quem sofre de Disortografia pratica uma escrita incorrecta, com muitos erros ortográficos ao passo que a Discalculia está ligada às dificuldades com o cálculo e com a matemática.

Qualquer uma destas doenças “é permanente e mantém-se ao longo da vida”, explicou a autora, acrescentando que estas perturbações têm diferentes graus.
Diana Coelho deixou ainda conselhos específicos, pequenas dicas que podem fazer a diferença. Por exemplo, na primeira folha do caderno podem constar as palavras que habitualmente se escrevem mal, com a correcção à frente permitindo assim escrever de forma correcta, após a consulta ao glossário.
A doença mais conhecida é a Dislexia pois se esta for no grau severo é reconhecida pela lei. “Muitas vezes os pacientes acumulam outras doenças, mas estas já não são regulamentadas e já não entram no decreto lei 3/2008 que define os apoios educativos a estes alunos”, explicou a oradora.
Além de autora do livro “Dificuldades de aprendizagem específicas, Dislexia, Disgrafia, Disortografia e Discalculia”, que é o primeiro no país sobre estas perturbações, Diana Coelho acompanha crianças com estas dificuldades de aprendizagem e também dá formação a professores.
Sílvia Freitas e Sara Oliveira, psicólogas do Gabinete da União de Freguesias de N. Sra. do Pópulo, Coto e São Gregório têm desenvolvido várias iniciativas relacionadas com a prevenção primária. Foram as responsáveis pela vinda de Diana Coelho às Caldas, a 19 de Março, além de terem assinalado o Dia Mundial da Saúde Mental com uma palestra e promoveram uma reunião de informação pública dos Alcoólicos Anónimos, grupo que reúne todas as quartas-feiras, a partir das 19h30, na sede da junta e é aberto a quem sofre deste problema, assim como os seus familiares.
“Já trabalhámos o tema do bulliyng com 1400 crianças e professores dos três agrupamentos caldenses”, disseram as responsáveis que agora estão dedicadas a ensinar como de lida com o insucesso e com o stress, desde tenra idade.
Segundo o presidente da junta, Vítor Marques, as sessões de esclarecimento relacionadas com a saúde mental e com a psicologia são para continuar, tendo alguns dos temas sido sugeridos por pais e terapeutas. As sessões continuarão a ter lugar na sede da União das Freguesias de N. Sra. do Pópulo, Coto e S. Gregório.

 

Natacha Narciso

[email protected]