David Santos define prioridades para os Bombeiros do Cadaval

0
68
David Santos tem 37 anos e é bombeiro desde os 16 anos | D.R.

David Santos, de 37 anos, é o novo comandante dos Bombeiros Voluntários do Cadaval, tendo recentemente tomado posse.
Bombeiro desde os 16 anos, o Técnico de Proteção Civil na Câmara Municipal do Cadaval entrou para os soldados da paz porque tinha amigos e familiares na corporação cadavalense. “Frequentava bastante esta casa quando era mais novo”, recordou.
Os primeiros objetivos do novo responsável passam pela aceitação do corpo ativo composto por cerca de 40 operacionais de um novo elemento no comando e também a união entre todos para trabalharem por uma causa comum.
Porém, em termos práticos, o primeiro desafio do novo comandante é conseguir cativar mais pessoas para as recrutas, permitindo aumentar o número de elementos no corpo ativo dos soldados da paz e “voltar a ter uma força maior”.
Para David Santos, “não há um número ideal de bombeiros, mas com mais elementos seria mais fácil prestar um bom serviço, reduzindo a carga de trabalho”. Nesse sentido, estavam previstas várias ações nas escolas do concelho e também nas várias freguesias, mas, com a pandemia, estas acabaram por ser suspensas. Ainda assim, todos os que se queiram juntar à causa dos bombeiros podem tentar fazê-lo, entrando em contacto direto com os soldados da paz cadavalenses. “Todos fazem falta e todos são bem-vindos”, disse David Santos, desde que tenham condições de saúde e interesse, obviamente.

À espera da vacina
Ao fim de quase um ano na frente da luta contra a pandemia, o comandante assume que existe algum cansaço e desmotivação entre os bombeiros, especialmente quando se tem em conta que, “com os hospitais a abarrotar, os serviços pré-hospitalares demoram muito mais horas”, faz notar.
“Os Bombeiros continuam à espera da vacina e continuam a ter contacto directo com pessoas infetadas”, em espaços curtos e, por vezes, durante períodos não tão curtos. “Acho que seria importante até para dar motivação”, defendeu o comandante dos Bombeiros do Cadaval.
Em 2020, os soldados da paz cadavalenses transportaram 7600 doentes e trabalharam um total a rondar as 14 mil horas. Foram acionados para cerca de 1600 emergências pré-hospitalares e para 170 incêndios, acidentes e inundações.
A frota, composta por sete veículos para transportes regulares e 18 para prestação de socorro (dos quais oito pesados), efectuaram 420 mil quilómetros.
A terminar, o cadavalense deixou um “apelo à população para que cumpra as medidas estipuladas pela Direção-Geral da Saúde para que seja possível colocar um ponto final no aumento dos contágios que se continua a verificar”. ■