Fundo Ambiental apoia vários projetos na região Oeste

0
322
As equipas de sapadores florestais obtiveram apoio ao seu funcionamento e também para equipamento

OesteCIM está a desenvolver cinco projetos apoiados pelo Fundo Ambiental, num total de 330 mil euros

Na região Oeste estão a ser implementados vários projetos que são financiados, na totalidade ou em parte, pelo Fundo Ambiental. A Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCIM), obteve um financiamento a 100%, no valor de 60 mil euros, para o Estudo de Desenvolvimento de Sistemas de Recolha de Biorresíduos, que identifica as melhores soluções para assegurar que os biorresíduos são separados e reciclados em cada um dos 12 municípios que integram esta comunidade.
Reduzir, a médio e longo prazo, a quantidade de biorresíduos a colocar em aterro, diminuir os custos relacionados com o transporte e deposição e a obtenção de um composto 100% natural com a valorização dos biorresíduos são alguns dos objetivos. O estudo apresenta uma análise de soluções para a sua recolha para cada um dos municípios, com dois cenários possíveis. Por exemplo, no caso das Caldas, é proposto um investimento em sacos, contentorização (compostores domésticos e centros de compostagem comunitária), viaturas e outros equipamentos, como uma trituradora para resíduos verdes. Uma estratégia que, de acordo com o estudo, implicará um investimento total estimado em mais de 1,5 milhões de euros.
Para estimular a adesão e contributo do cidadão para o sistema estão também previstas várias ações de sensibilização.

192 mil euros para sapadores
Em execução estão mais quatro projetos que, no total, ascendem a mais de 270 mil euros de apoio por parte do Fundo Ambiental. A maior fatia, de 180 mil euros, é destinada ao apoio ao financiamento das equipas de Sapadores Florestais para 2023 e que se destina a capacitar financeiramente a operacionalidade destas equipas. No âmbito do Apoio ao Equipamento das Equipas e Brigadas de Sapadores Florestais – 2022, a OesteCIM já adquiriu equipamento para a Brigada de Sapadores do Oeste.
Também os Gabinetes Técnicos Florestais Intermunicipais puderam contar com um apoio na ordem dos 47,6 mil euros, que se concretiza no apoio ao seu funcionamento. A estes gabinetes técnicos cabe o acompanhamento das políticas florestais, a promoção e articulação dos instrumentos de planeamento florestal de âmbito municipal, a transposição homogénea dos Planos Regionais de Ordenamento Florestal para os Planos Diretores Municipais, ou o acompanhamento dos Planos de Defesa da Floresta Contra Incêndios e Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios, entre outras atividades. O Fundo Ambiental apoia ainda, com 50% do investimento total de 32 mil euros, a aquisição de uma viatura elétrica e de um posto de carregamento, no âmbito da 3ª Fase do Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na Administração Pública – Parte 3.
De acordo com o presidente da OesteCIM, Pedro Folgado, o Fundo Ambiental representa um “importante contributo” para o desenvolvimento sustentável da região, contribuindo para a “estratégia de desenvolvimento de uma Região Inteligente e Sustentável que tem como pilares a transição ambiental, a transição digital e a inclusão social, uma região que coloca as pessoas no foco das políticas públicas”. O também autarca de Alenquer considera tratar-se de um estímulo à economia local e à transição para práticas mais sustentáveis, sendo, simultaneamente, promotor da inovação e tecnologia sustentável. Dá como exemplo o apoio ao “Estudo para o Desenvolvimento de Sistemas de Recolha de Biorresíduos”, que considera importante no caminho da pesquisa e desenvolvimento de iniciativas para a gestão eficiente dos recursos, mas também ao nível de soluções de mobilidade sustentável, exemplificando com a candidatura ao Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na Administração Pública. “Não menos importante será o seu papel de sensibilização e educação ambiental, para o aumento da conscientização da população da região Oeste sobre questões ambientais e o incentivo à adoção de comportamentos mais sustentáveis”, referiu Pedro Folgado à Gazeta das Caldas. ■