Impactwave cria soluções tecnológicas para o sector agrícola

0
847
Impactwave
Ricardo Cardoso é o responsável pela Impactwave, empresa com 12 colaboradores e instalada no PTO |DR

A Impactwave, uma empresa de novas tecnologias instalada no Parque Tecnológico de Óbidos (PTO), criou uma ferramenta de pesquisa especializada no sector agrícola, denominada Agrozapp. A forte aceitação dos utilizadores ditou o seu crescimento e a agora plataforma online disponibiliza informação sobre produtos fitofarmacêuticos, notícias, artigos de opinião, textos científicos e directórios de empresas.
É também desta empresa a criação do Ultracarpo, um sistema para testar a maturação da fruta baseado em ultrassons. O terceiro protótipo deste dispositivo já foi testado e a Impactwave prepara-se agora para recorrer a fundos comunitários para a sua concretização.

Ultracarpo
O Ultracarpo testa a maturação da fruta através de ultrassons |DR

O que começou por ser uma ferramenta para pesquisa de produtos para a agricultura, uma espécie de Google para o sector, cresceu e tornou-se numa plataforma aberta a toda a comunidade e de acesso gratuito. A aplicação Agrozapp foi criada em 2013 pela Impactwave, dirigida essencialmente a profissionais do sector. No entanto, passou a haver muitos pedidos de informação por parte de pequenos produtores e mesmo pessoas que têm hortas em casa. Os profissionais decidiram então proceder a alterações, permitindo que qualquer utilizador tenha acesso a toda a informação, desde os produtos, às notícias, artigos de opinião, artigos científicos e directórios de empresas. Há conteúdos produzidos pela própria empresa, mas também de especialistas, desde professores universitários, a técnicos de alguns fabricantes e colaboradores.
A aplicação permite que, por exemplo, uma pessoa que queira informações para combater uma praga numa cultura possa procurar produtos fitofarmacêuticos ou, se o preferir, optar por “remédios caseiros” em notícias ou artigos de opinião.
Ana Silva, da Impactwave, garante que ninguém fica sem resposta, seja um agricultor que precisa de uma solução altamente especializada, ou alguém que tem, por exemplo, um problema numa roseira e que nem sequer sabe identificar o que é.
E como conseguiram fazer para que houvesse uma diferença do público doméstico para o profissional? “Foi através do perfil”, explicou o responsável pela empresa, Ricardo Cardoso, especificando que quem acede sem estar registado vê toda a informação e quem tiver um perfil consegue ter acesso aos assuntos que lhe interessa, de forma mais direccionada.
A plataforma pode ser acedida através do site, redes sociais e newsletters e tem tido bastante procura. “Desde que a lançámos tem havido picos de procura consequentes e mais interacção dos utilizadores, de uma forma transversal”, referiu o responsável, adiantando que actualmente possuem 5000 utilizadores registados. Estes vão desde os 14 aos 75 anos e entre eles há defensores da agricultura biológica e da permacultura, enquanto que outros defendem os modos de produção extensivo, havendo informação abrangente e disponível para todos, com imparcialidade.
“A participação das pessoas permite-nos perceber comportamentos e como é que quem está ligado ao sector se relaciona com a tecnologia”, resume Ricardo Cardoso.
Este “serviço público” é prestado gratuitamente. Para manter a plataforma existe publicidade e a Impactwave conta com a colaboração de vários parceiros do sector. A empresa tecnológica está também a desenvolver outros módulos, que serão pagos, com informação mais específica e funcionalidades dirigidas a profissionais.
Paralelamente, a empresa continua a desenvolver o Ultracarpo, um sistema para testar a maturação da fruta baseado em ultrassons, (com o qual já ganhou dois prémios no Concurso de Empreendedorismo Arrisca C). Já vão no terceiro protótipo e, de acordo com Ricardo Cardoso, não se trata do produto final, mas “já permite ir para o campo e testar a informação”. Este desenvolvimento permite-lhes também recorrer a fundos comunitários para a sua concretização.
Durante as diversas fases de testes têm contacto com o apoio da Masil Frutas, da Fanadia, que tem facultado a matéria-prima e funcionado como um “banco de ensaio” para experimentação da tecnologia.
A Impactwave conta actualmente com 12 colaboradores, desde programadores e agrónomos, a designers e especialistas em marketing, e desenvolve aplicações interactivas e websites para dispositivos móveis e Internet. Trabalham sobretudo para os sectores da saúde humana e da agricultura, mas também nas componentes de logística e gestão de transportes.