Passeio entre o Coto e as Caldas em construção

0
857
As obras no local começaram há pouco mais de um mês

Obra deverá estar pronta em cerca de 30 dias e resulta de investimento de 92 mil euros

O passeio entre o Coto e as Caldas está em construção. As obras iniciaram-se no dia 19 de maio.
Trata-se de um projeto que era aguardado há largos anos pela população que reside no Coto.
Com uma extensão de cerca de 600 metros, o novo passeio segue junto à Estrada Nacional 360 e liga a zona do cruzamento de São Jacinto ao cruzamento com a Rua do Regato, colmatando uma lacuna naquela estrada.
O passeio é feito em calçada, está a ser construído pela empresa Mauriscava Muros e Terraplanagens, Unipessoal Lda., de Turquel (concelho de Alcobaça).
A obra está a cargo da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório, que a financiou e executou, mas será depois ressarcida pela Câmara Municipal das Caldas, uma vez que foi feita pela União de Freguesias ao abrigo da delegação de competências.
O presidente da União de Freguesias, Pedro Brás, realça que, após a conclusão da obra, o benefício é que, “quem quiser fazer o caminho a pé, já o poderá fazer, em segurança”.
O autarca recordou que esta “era outra das obras que estava projetada antes de tomarmos posse” e esclareceu que o investimento neste projeto rondará os 92 mil euros.
“Fizemos através de empreitada para não haver derrapagens e para fazerem a obra o mais rapidamente possível, porque se se atrasarem são os próprios a serem prejudicados”, referiu o presidente da União de Freguesias à Gazeta das Caldas.
A empresa tinha um prazo de 90 dias quando começou a empreitada, “mas contamos que ao fim de 60 dias esteja pronto”, afirmou. Ou seja, dentro de cerca de um mês a obra deverá estar concluída.
“Foi feita uma parceria com o proprietário das Águas do Areeiro e, para que a curva não ficasse tão acentuada, foi derrubada uma casa no interior, para criar maior visibilidade e segurança”, contou Pedro Brás, explicando que tal atrasou ligeiramente os trabalhos. “Foi falado uma semana antes de começarmos a obra”, detalhou.
O proprietário da empresa cedeu uma parte de terreno, sendo que, frisou o autarca, “o trajeto da estrada não vai mudar, mas a curva terá mais visibilidade e a zona fora da estrada será mais larga”, até porque “se cortássemos o trajeto da estrada iria criar ali mais velocidade e também não queremos”. ■