Prossegue investimento na requalificação

0
67
Miguel Paiva e Sousa e irmãos continuam a apostar na reconversão da fábrica

Proprietários vão continuar a requalificar e investir em sustentabilidade e numa pegada próxima do zero

O objetivo da administração da Ceres é que a empresa “seja uma referência a nível nacional de aproveitamento de instalações industriais no centro da cidade”, revela Miguel Paiva e Sousa, que conhece maus exemplos de outros grandes espaços congéneres, abandonados e “que se transformam em problemas sociais”.
“Um dos nossos clientes estratégicos é o Silos Contentor Criativo que nos permite fazer a ligação com a comunidade estudantil”. valoriza o gestor, acrescentando que há vários tipos de arrendatários neste espaço que vão desde os estudantes da ESAD até quem já está no mercado e decide, em nome da qualidade de vida, transferir-se da capital para as Caldas.
A empresa vai continuar a fazer investimentos na reestruturação do espaço, assim como adaptações, que implicam a reconversão dos espaços em salas e gabinetes de acordo com as diferentes necessidades dos clientes. Foi feito um investimento recente nos 5º e 6º andares que são duplex. Foi melhorado o parque de estacionamento e está em curso a substituição de janelas para vidros duplos (mais de cem), assim como a reparação e a pintura do edifício principal.
Esta operação que teve início este ano deverá estar concluído em 2022.
Segundo Miguel Paiva e Sousa estas intervenções implicam um investimento de cerca de 30 mil euros. O responsável contou ainda que a a sustentabilidade energética e ter uma pegada ecológica perto do zero são objetivos. Como tal serão necessários 20 mil euros de investimento a médio prazo para a instalação de energias renováveis para autoconsumo. A gerência pretende também apostar em energia fotovoltaica, pretendendo fazer um investimento numa estrutura energética eficiente, assim como uma aposta na reciclagem e no reaproveitamento de materiais. A Ceres quer continuar as parcerias com agentes locais, como a Câmara, e vai prosseguir com o desenvolvimento do polo criativo. Prova é o facto de estarem a surgir nas imediações da Ceres outros negócios que se articulam diretamente com os ateliês nos Silos. ■

Que tipo de ateliês funcionam na Ceres?

Os primeiros espaços começaram a ser alugados em 2010. Atualmente são 38 e dedicam-se a várias áreas. Conheça alguns

Cinco espaços que se dedicam à cerâmica artística. Igual número para a música

Criatividade e design (quatro áreas). Três espaços para o artesanato e mais três para a restauração

Design de moda e costura (2 espaços), assim como duas de fotografia e duas de pintura. Duas igrejas evangélicas

Uma associação cultural, o Silos Contentor, uma de empreendedorismo, outra de recrutamento e um espaço para Pilates

Um estúdio de produção de filmes e vídeo, um de televisão

Um espaço de empresa de sementes, uma de restauro e uma serralharia