Política e redes sociais, um problema de expressão

0
379

Amélia Sá Nogueira
Socióloga e Ceramista

As redes sociais assumiram nos últimos anos um papel fundamental enquanto ferramentas de comunicação privilegiadas tanto na esfera privada como na esfera pública. O rápido desenvolvimento tecnológico, o acesso ilimitado à internet por uma grande maioria da população, o conhecimento do manuseamento das redes sociais pelo cidadão comum, contribuíram para a construção de sociedades mediatizadas com impacto em áreas tão diversas como o trabalho, o tempo livre ou mesmo a política. Com cerca de 8 milhões de utilizadores em Portugal, o Facebook é a rede social mais utilizada, tendo conhecido um aumento de internautas em resultado da pandemia. Através das redes sociais podemos pesquisar informação, comunicar com amigos e familiares, acompanhar notícias da atualidade ou simplesmente ocupar o nosso tempo livre.
Na política as redes sociais têm sido utilizadas como uma importante ferramenta de comunicação, tanto em campanhas eleitorais como também na divulgação de ações políticas e institucionais, conduzindo o debate político para o mundo virtual da interação entre indivíduos.
As redes sociais tornaram-se um importante complemento aos tradicionais meios de comunicação na divulgação política e institucional. As autarquias e os próprios políticos utilizam as redes sociais como uma permanente plataforma de comunicação levando a que a discussão política ultrapasse em muitos casos a esfera institucional, governativa e política e se tornem meros assuntos de conversa nas discussões da esfera pública. É inegável o papel das redes sociais enquanto mecanismos de divulgação da informação de modo amplo e rápido ao público eleitor, beneficiando por exemplo os novos movimentos independentes de cidadania na mobilização de efetivos, estabelecendo neste quadro a possibilidade de uma participação direta dos cidadãos, promovendo um sistema que se deseja mais democrático no debate e na intervenção. No entanto, as mais valias da comunicação política através das redes sociais podem gerar outro tipo de problemas, criando um espaço propenso a ofensas e discursos de ódio, de informação falaciosa, de processos mediáticos, sensacionalismos e populismos, conduzindo ao empobrecimento do debate político. Não nos distanciemos do foco principal. O tempo e as ações ditarão o rumo dos acontecimentos políticos. Na realidade, o problema não está nos mecanismos de comunicação através da redes sociais mas antes na própria qualidade e forma da mensagem e como muitas vezes esta é transmitida. É que há uma enorme diferença entre a palavra dita e a palavra escrita. ■