Direito de Resposta

0
347

Na edição de 19/05/2022, a Gazeta das Caldas publicou a reportagem com o título “Rita Ribeiro dedica-se à bijuteria sustentável”. Foi com muito gosto que dei a conhecer o meu trabalho e agradeço a oportunidade. Foi-me permitido dar conhecer o meu trabalho de bijuteria sustentável sob a marca ELO, a sua razão de ser e objetivos, que muito me orgulham. O projeto foi apresentado pelo seu valor intrínseco, sem nunca visar ou denegrir outras marcas, empresas concorrentes ou pessoas.
O mesmo não se pode dizer do suposto direito de resposta assinado pela Sra. Margarida Romão publicado na edição de 30/06/2022 da Gazeta. Além de não corresponder à verdade, esse texto põe em causa em causa o meu trabalho, o meu profissionalismo, a minha reputação e o meu bom nome, de forma infundada e inaceitável.
Antes de iniciar o projeto ELO, a Sra. Margarida Romão foi cliente dos meus serviços de desenho gráfico e impressão 3D. Esses serviços foram prestados sem caráter de exclusividade.
Sempre me relacionei com a Sra. Margarida Romão com plena consideração, transparência e lealdade. Por essa razão, mesmo antes da conceção do meu projeto, informei-a de que pretendia desenvolver as minhas próprias peças de bijuteria, para uso pessoal e para oferecer a familiares e amigos, o que aquela nunca aceitou. Embora a nossa relação comercial se tenha deteriorado desde essa data, mantive sempre plena disponibilidade para continuar a prestar os serviços que lhe prestava até então, conforme sucedeu por mais alguns meses. No entanto, a Sra. Margarida Romão nunca aceitou que eu desenvolvesse os meus próprios produtos e, posteriormente, que iniciasse o meu próprio projeto. Por vontade da Sra. Margarida Romão, a nossa relação comercial terminou quando iniciei o projeto ELO.
A ideia de que terá sido a Sra. Margarida Romão a conceber a utilização de poliácido láctico (PLA) em brincos e acessórios não faz qualquer sentido. São inúmeras as marcas e os comerciantes que o fazem há anos, conforme resulta de uma simples pesquisa na internet.
A insinuação de que as peças por mim criadas sob a marca ELO se assemelham às peças da Sra. Margarida Romão é absurda, destituída de qualquer fundamento e é suscetível de lesar comercialmente a minha marca, bem como o meu bom nome e profissionalismo. As peças comercializadas sob a marca ELO são criações originais minhas, inspiradas e influenciadas por elementos, vivências e artistas que em nada se relacionam com os produtos assinalados pela marca Modart Craft Design.
O texto assinado pela Sra. Margarida Romão não corresponde, de forma alguma, ao exercício do direito de resposta, uma vez que o artigo «Rita Ribeiro dedica-se à bijuteria sustentável» não lhe fez, a si ou à sua marca, qualquer referência, conforme pressupõe o artigo 24.º, n.º 1, da Lei da Imprensa para que haja direito de resposta. O texto assinado pela Sra. Margarida Romão não passa de uma tentativa desleal de concorrer com a marca ELO, através de falsas afirmações e insinuações infundadas. Por essa razão, e face à difamação que me é feita nesse texto, não poderei deixar de agir para defender o meu bom nome e profissionalismo, bem como o valor e a originalidade da minha marca e dos produtos ELO. ■ Rita Ribeiro