Passamos de ano

0
48
Teresa Serrenho
Couch Vivencial

Será que vamos passar de Ciclo, ou reprovamos? Será que também devíamos ser obrigados a fazer inspeções anualmente?
Aproximamo-nos do final do ano, ou seja, o final de um ciclo. Tal como acontece na escola a cada fim de ano, são feitas avaliações que nos permitem passar ou reprovar. Se fossemos avaliados, se os avaliadores fossemos nós próprios, será que passávamos de ano?
Num ano onde verdadeiros desafios são apresentados, num ano onde todas as estruturas estremecem e são colocadas à prova, onde são exigidas mudanças que visem repensar a humanidade, a sociedade, a economia, o ambiente, os recursos, a solidariedade, o ensino, a saúde, etc. Como seria a nossa autoavaliação face aos desafios apresentados em 2020?
Este texto é um convite à reflexão e autoanálise, é a partilha de uma prática que tenho a cada final de ano e um desafio aos que me leem para que o façam também se quiserem. Compreender em que ponto nos encontramos em relação aos nossos objetivos, ter consciência das nossas conquistas, as que alcançamos e as que nos faltam alcançar, compreender o quanto nos afastamos ou não dos nossos objetivos, tomar consciência de qual é a nossa motivação, como estão os nossos níveis de comprometimento para com os nossos objetivos, de que forma nos disciplinamos e nos dispomos a correr atrás do que nos faz feliz. Importa também fazer uma reflexão realista e verdadeira a respeito das coisas que já não queremos, que já não nos servem e que serão importantes eliminar da nossa vida.
Agora remetendo uma outra comparação, a inspeção automóvel, que fazemos aos nossos carros, obrigatoriamente para poderem circular, mas antes, fazemos calibração, afinação, revisão e alinhamento de direção. imaginem se fizermos periodicamente os mesmos procedimentos, mas com a nossa vida! De certeza que vamos melhorar o nosso desempenho, eficácia, longevidade e segurança. Então aqui fica outro convite para quem quiser utilizar algumas das minhas metodologias, calibrar e aferir o que é verdadeiramente é importante, o que queremos alimentar e preservar. Afinar a estratégia, garantir que não existem folgas que possam comprometer a engrenagem, apertar bem todas as peças valiosas e segurar o que é estrutural. Reabastecer, completar, quem sabe substituir complementos obsoletos e desatualizados. Fazer um reconhecimento de rota, quem sabe instalar um GPS de objetivos que garanta uma maior eficiência, rapidez, segurança e sucesso na conquista dos mesmos.
Muito sucesso a todos os que se aventurarem!