Pais atentos

0
262
Gazeta das caldas
| D.R.

Nesta coluna cabe-nos hoje fazer uma leitura rápida de alguns jornais do Oeste na vertente da educação e do que pode ser o trabalho dos pais atentos e empenhados.
Noticia o Badaladas (Torres Vedras) que no Sobral de Monte Agraço a Associação de Pais eleita recentemente, veio a público denunciar a falta de assistentes operacionais no Agrupamento de Escolas. Não sendo uma notícia rara, ela faz eco de muitas e grandes preocupações de pais que se empenham no cuidado com os seus filhos, quer a nível de segurança, quer no enquadramento escolar para que obtenham um bom rendimento.
Ainda o mesmo jornal dava conta da presença de jovens daquele concelho no Green Fest que decorreu no final de Outubro no Campus da Universidade Nova – Nova School of Business & Economics, cujo tema foi a ÁGUA. É o maior festival de sustentabilidade do país onde se celebra o que de melhor se faz nas quatro vertentes: Ambiental, Social, Económica e Cultural. Em tertúlias, conferencias, workshops e outras iniciativas, o tema da água foi apresentado como um recurso vital que importa ser compreendido e preservado.
Passando os olhos pelo Alvorada (Lourinhã) e pelo Alcoa (Alcobaça) centramo-nos nas notícias do início de um novo ano letivo e nas iniciativas de carácter familiar como desenvolvimento de uma economia local. Mas não podemos ainda deixar de fazer uma breve referencia à importância do desporto, que Ribamar festejou, com a Equipa de patinagem artística do Centro Social e Cultural de Ribamar a alcançar o lugar de vice-campeã distrital por equipas, no Torneio de Figuras Obrigatórias.
Ora estes temas têm para nós subjacente o cuidado dos pais atentos ao desenvolvimento integral dos seus filhos, querendo proporcionar-lhes as melhores e mais variadas opções de desenvolvimento físico e cultural, para que se possam afirmar no mundo tão carenciado de humanismo cristão.
Há, porém, pais menos atentos ao desenvolvimento dos seus filhos e que não conseguem ler os primeiros sinais de alerta. Por exemplo os filhos que não têm gosto em estudar e que repetem sem cessar o oitavo ano, já com dezasseis ou dezassete anos, muitas vezes tapados por faltas, ou que se sentam desinteressadamente na última fila das salas de aula, só para marcar presença.
Quando estes jovens estão em casa normalmente têm dois comportamentos possíveis: ou se fecham no quarto a ouvir música e só saem para comer, ou passam os dias fora e só regressam para dormir, em horários desencontrados dos pais. São sinais de alerta quer para a Escola, quer para a Família, lugares onde não há diálogo, ou onde há tolerância total para a mentira e para o vazio de interesses.
A pergunta então será: “Não haverá realmente nada de bom em que esses jovens se possam interessar?”
Percorremos os jornais acima referidos e ali encontrámos uma diversidade de situações que ajudarão os pais com filhos mais fracos e desinteressados, mas para isso todos temos de concorrer com ideias e iniciativas que levem esses jovens a triunfar nalguma coisa, para que eles possam saborear o sucesso e melhorar a auto-estima.

Jornais do Oeste