Sempre pelas Caldas

0
104

Fernando Tinta Ferreira
vereador do PSD na Câmara das Caldas

Na sequência das últimas eleições autárquicas foi eleito um novo presidente e uma nova equipa.
Os eleitores preferiram a possibilidade de algo novo, em vez da estratégia de desenvolvimento que tinha sido seguida até aqui e que para muitos foi globalmente positiva.
O legado que foi deixado pelos eleitos do PSD deu, em nosso entender, um forte contributo para o desenvolvimento do concelho em diversas áreas e iniciativas das quais destacamos as seguintes:
O projeto educativo que atingiu patamares de excelência.
O ecletismo desportivo que nos tornou referência nacional quer ao nível da diversidade da prática desportiva, quer ao nível da quantidade e qualidade das instalações desportivas, quer ao nível dos resultados desportivos e ainda ao nível de organização de muitos e relevantes eventos desportivos.
A regeneração e reabilitação urbana que transformou a cidade, tornando-a mais acolhedora, mais preocupada com as acessibilidades, com os peões, e fazendo uma obra muito impopular mas essencial, como foi a substituição de grande parte da rede de águas e esgotos, assim como de outras infra-estruturas essenciais.
A valorização do comércio tradicional com um conjunto de iniciativas de animação de rua e divulgação intensa do nosso comércio nos media.
Os grandes eventos que reafirmaram a marca Caldas como a Feira da Fruta, o Cavalo Lusitano, o Caldas Anima, entre muitos outros.
A política de repavimentações em curso por todo o concelho e que vai continuar uma vez que foram contratados mais de 2 milhões de euros para realizar nos próximos 12 meses.
A melhoria das infra-estruturas de saúde nos cuidados de saúde primários.
O reforço dos apoios às associações e às Juntas de Freguesia. Os apoios às Juntas de Freguesia aumentaram 70% em 8 anos.
A passagem do serviço de Recolha de Lixo e limpeza urbana para os SMAS que permitiu uma melhoria significativa deste serviço.
A valorização cultural com a construção do Museu Leopoldo de Almeida e a Casa Amarela que incrementou o nosso património cultural e as parcerias com a sociedade civil que nos permitiu atingir o estatuto de Cidade Criativa da Unesco.
A reabertura da atividade termal e requalificação e manutenção do Parque D. Carlos I que, com coragem, foi assumido pelo Município.
Para terminar enfrentámos essa terrível doença pandémica, que foi designada como Covid-19, com um número de casos claramente abaixo da média nacional.
Apesar deste legado, muitos eleitores, alguns influenciados por uma campanha negativa de personagens do costume, deixaram-se convencer por outro estilo, outros protagonistas.
Os que votaram, determinaram agora que queriam o nosso contributo como oposição no executivo municipal. Naturalmente procuraremos cumprir com esta determinação na defesa daquilo que consideramos melhor servir os interesses dos caldenses.
Entregamos um município com obra feita, com obra em curso, e com projetos elaborados e em elaboração, que nos dispensamos aqui de enunciar dada a sua extensão, mas que disponibiizámos ao atual executivo municipal, num processo de transferência devidamente documentado e que procurámos que fosse o mais correto possível.
Entregamos uma autarquia com a carga fiscal municipal mas baixa do Oeste e com um saldo de tesouraria na Câmara de 7,5 milhões de euros e nos SMAS de 4,5 milhões de euros, um que dá um saldo consolidado de 12 milhões de euros.
Entregamos uma autarquia com uma dívida baixa, das mais baixas do país por cidadão, num valor inferior a 4 milhões de euros.
Nos próximos anos, muitas das obras e projetos que forem executados serão seguramente aqueles que o PSD preparou, porque o nosso modelo de organização assentava num planeamento orçamental plurianual.
Na Assembleia Municipal onde presidimos à Mesa da Assembleia e nas 9 Freguesias onde temos as responsabilidades executivas tudo faremos para defender os interesses do concelho, e realizaremos com energia todas as obras e iniciativas relevantes para a valorização das comunidades.
Na Câmara Municipal e nas 3 Freguesias onde não nos foram atribuídas responsabilidades executivas, teremos uma atitude vigilante e que não bloqueie o normal funcionamento das instituições, no respeito pelo programa de quem tem competência para decidir, mas também na defesa das propostas que apresentamos ao eleitorado e que tiveram uma votação apesar de tudo expressiva.
Procuraremos não alimentar discussões fúteis e sem sentido prático. Defenderemos os nossos princípios de gestão e organização municipal como sempre fizemos.
Os munícipes do concelho podem continuar a contar connosco.
Sempre pelas Caldas. ■